Atrito – o movimento da vida

 

10613907_883152891712005_1860351287_n

 

Prem Milan

 

Esta é uma lei física, a base do mundo. A cada movimento, você precisa ter atrito. Se você não tem atrito, não consegue se mover, mudar de lado ou direção. É uma essência para a vida! É a forma de crescer, se expandir. A energia é gerada por atrito. O atrito da água dentro de uma turbina, movendo os geradores. A energia atômica é atrito, é o choque entre os átomos.

O remédio que cura vai criar um atrito com o germe, contra a bactéria. Tudo o que você quiser ver na vida, tem um atrito. Uma criança, para se desenvolver de uma forma sadia, assim como todas as suas capacidades, precisa de atrito. Ela tem que entrar em atrito com seu pai e sua mãe para se autodeterminar, para saber que é um ser separado. Porque quando a criança nasce, ela acha que é o mesmo ser que a mãe e precisa de um tempo para conseguir se definir.  Precisa de atrito com outras crianças. Você vê que elas brigam e logo fazem as pazes. Ela precisa disso para se desenvolver. Você já viu que toda criança adora brincar de luta? Pois é porque ela precisa disso. E não é só tv. No meu tempo, nós vivíamos de luta, de espada, precisávamos disso, criávamos força e agilidade.

Hoje nós criamos a criança com muito medo. Uma criança não pode cair no chão e ralar o joelho. Faz bem pra saúde se machucar e levantar e assim ela vai saber o que é equilíbrio. Pular, subir numa árvore…

Estamos tirando todos os atritos, toda a possibilidade desse embate. É necessário para o corpo se desenvolver, subir morros, montanhas, faz bem para o pé. Se andar sempre em terreno plano, vai ficar com o o pé de pato, meio aleijado. Aí vai vindo, crescendo rumo à adolescência.

A sexualidade é o ápice disso. Começa na nossa puberdade, um atrito entra duas pessoas. A sexualidade tem um coisa bonita: o pênis e a vagina (opa! Será que pode falar isso?) O atrito gera energia, prazer, alegria. O atrito é fundamental.

É obvio que se entrarmos no excesso de atrito vai ficar ruim. Agora estamos em muita falta de atrito. Estão suprimindo isso. Quando entramos num amor é todo um atrito na vida da gente, atrito a tudo, a família, aos amigos, todo mundo fica meio assim. Você muda seus corpo, fica mais ágil. Até que faz-se um contrato para se acomodar e começa-se a fugir de tudo o que pode gerar conflito.

Ahh, não posso olhar para outros homens”, “não posso olhar para outras mulheres”.  Aí você vai perdendo o atrito daquela energia de tesão que alguém te manda. Isso faz você crescer como pessoa. Você tem que lidar com essas situações. Mas a maioria prefere ficar um bofe assexuado para não ter esse tipo de problema. E quando vai ver sua própria relação é sem nada. Suprimiram o atrito.

O desafio de estar num amor e aparecer uma pessoa interessante, o atrito que cria, o teu amor tem que crescer, obrigatoriamente. Se não tem esse atrito, ele se acomoda.

Eu estava plantando árvores frutíferas no sítio e queria colocar uma irrigação. A indicação era colocar mais longe das árvores para que ela fizesse força para buscar água. Assim ela vai desenvolver mais raízes, maior espaço, maior quantidade de alimento. Se você coloca perto ela vai ser preguiçosa, vai ser bonita, vistosa, mas seus frutos não serão suculentos. Serão sem gosto. E essa falta de atrito ao amor, está o tornando sem gosto.

Aparentemente bonito, mas sem essência! Se quiser testar, vai num prédio desses grande e observe quantos casais bonitos passam, mas veja se algum som de transa existe naquele local. É tudo proforma. E depois só se ouve dizer que o casal se separou.

Você quer fugir do atrito? Você vai virar um “vegetal feliz”. São aqueles que não querem nenhum atrito, nenhum contato com raiva. Estão rindo mas são vegetais, totalmente sem graça. Mas na cabeça, nos papos são incríveis e fantásticos. Agora na cama, “my god”, uma decadência!

E para ilustrar, vou encerrar com uma historinha legal do OSHO. E uma dica: não suprima o atrito da sua vida. Isto é a lei da vida. Nossos brilhantes raciocínios não alcançam a total dimensão da existência.

Um dia um velho fazendeiro veio a Deus e disse: “Olha, você pode ser Deus e ter criado o mundo, mas preciso lhe dizer uma coisa: Você não é fazendeiro e não sabe o ABC da agricultura. Você tem muito o que aprender.” Deus disse: “O que você sugere?”. O fazendeiro respondeu: “dê-me um ano e permita que as coisas sejam de acordo comigo e veja o que acontece. Não haverá mais pobreza!” 

Deus concordou e um ano foi dado ao fazendeiro. Naturalmente, ele pediu o melhor, pensava somente no melhor.

Nada de trovões, nada de ventos fortes, nenhum perigo para a safra. Tudo confortável, aconchegante e ele estava muito feliz. O trigo estava crescendo tanto! Quando queria o sol, havia sol, quando queria chuva, havia chuva, o quanto quisesse. Neste ano, tudo estava certo, matematicamente certo.

O trigo crescendo tanto… O fazendeiro ia a Deus e dizia: “Olhe! Desta vez a safra será tão grande que, por dez anos, mesmo que as pessoas não trabalhem, haverá comida suficiente!” 

Mas quando fizeram a colheita, não havia grãos. O fazendeiro ficou surpreso. Ele perguntou a Deus: “o que aconteceu? O que saiu errado?”

Deus disse: “Por não existir nenhum desafio, nenhum conflito, nenhuma fricção, já que você evitou tudo de ruim, o trigo permaneceu impotente. Uma pequena fricção é uma necessidade. As tempestades são necessárias, os trovões e os raios são necessários. Eles agitam a alma dentro do trigo!”

 

 

 

Anúncios

Qual é a saída?

Saída

Por Prem Milan

Quando uma crítica contundente é feita, todo mundo quer saber a saída. Quer ganhar de presente a solução para o problema. Essa é a característica básica do sistema que nos perverteu. Alguém tem que te dar a saída, sempre.  O que tenho a dizer quanto a isso é que o seu cérebro precisa voltar a funcionar. Não esperar somente pelas respostas dadas pelo inconsciente. Afinal, a saída, nós construímos juntos, com nossas mãos.

Sim, é fundamental que compreendamos isso! Pois, desde cedo, essa ideologia consumista do conforto nos é imposta. Só queremos saber das facilidades. Trabalho é um saco! Virou um saco. Agora, se você trabalha em algo que você curte, existe uma alegria! Se você vai construindo as coisas que precisa, é um barato! E precisamos voltar a ter isto. Hoje em dia, não construímos nada, nem um móvel sequer. E o conceito atual nos ensina que isso é viver bem. Justamente o que torna os nossos corpos incapazes de fazer qualquer esforço. Sistema automático gera automatização. Mesmo sabendo que dentro de uma garrafa de suco tem veneno, vou lá e tomo. Mesmo sabendo que a comida tem veneno, vou comer igual.

É necessária uma luta muito forte porque é a tua vida. Você precisa resgatá-la. Durante muito tempo, você entregou a sua vida nas mãos dos outros, delegou que fizessem tudo por você. E o sistema nos ensina a desistir, não a se esforçar.

Olha, eu moro numa comunidade com mais 45 adultos. Para nós, não é fácil mudar certos conceitos, claro. Estamos começando a produzir nossa comida e também metendo a mão na massa. O que só é possível porque estamos numa comuna, onde nos apropriamos de algumas práticas de trabalho como: cuidar do jardim, pintar uma janela, fazer um móvel, arrumar uma torneira, tratar galinhas e etc. E posso te afirmar que um dos momentos mais graciosos e belos do nosso convívio é quando fazemos mutirões. Uma simples ação que faz brotar dignidade, esperança… Parece até que o corpo diz: “obrigado”.

Não estou propondo que voltemos à idade da pedra! E sim,  que criemos alternativas. A visão do Osho era muito interessante a respeito disso. Se o ser humano vivesse em comunidades teria mais troca, mais amizade, mais alegria. Só que também teríamos mais atritos, mais discussões, mais inveja, mais ciúme! E  muito mais alegria, tesão e vida! Parafraseando Chaplin “não sois máquinas, homens é o que sois”. Leia o último discurso de Charles Chaplin feito nos anos 40. Aquilo é atual.

Temos que entrar profundamente em nosso sentimento, quebrar essas barreiras, sentir, colocar pra fora… Assim, poderemos resgatar nossa lucidez emocional, que foi totalmente contaminada pela dependência que tínhamos dos nossos pais. Inconscientemente, eles nos manipularam ao nos repassar seus valores de posse, ciúme, inveja, egoísmo, medo. Eles também receberam os mesmos sentimentos. E esta corrente se estende até hoje.

O touro é castrado para virar boi manso porque assim puxa a carroça, se submete, obedece… E essa castração psicológica é feita em nós. E o rompimento com esse padrão emocional é um grande passo em direção à liberdade e a lucidez… É a lucidez que te faz lutar contra o sistema. Permite que o amor, a sexualidade e a liberdade se expandam. E depois disso, com certeza, você vai ver que não precisa de muitas das quinquilharias que o consumo nos adverte como essenciais. Esta, sim, é a verdadeira revolução ecológica, amorosa e humana.

Depois do café da manhã… Vamos ao almoço!

meat-dinner

Por Prem Milan

Gostei da repercussão e dos comentários de pessoas indignadas e bravas com as afirmações do texto anterior. E acho que fui até bem moderado. Porque exagero é a sacanagem que estão fazendo com a gente. E, sim, acho que temos que fazer algo a respeito de maneira RADICAL e URGENTE! Atualmente, a comida é um dos nossos raros preenchimentos. Só que ao invés de preencher o coração, ela preenche nossa barriga, nossa celulite e nossa banha. Mas enfim, vamos ao almoço…

O que preferes? Arroz branco ou integral? O branco é basicamente nada, simples assim. Puro isopor de qualidade. Porque ao “lapidá-lo” tiram tudo dele, todas as vitaminas. Ahh, os “Tio João” da vida… E olha que eu gosto de um arroz branquinho! Com o molho do bife, então… Deus me livre! Mas devo reconhecer que é vazio. O parboilizado até tenta ser um disfarce, mas é o legítimo engana trouxa. Então vamos falar sobre o integral: se orgânico, tudo bem! Agora, se não for orgânico (cerca de 99% não é), é apenas vitamina com tempero de agrotóxico. Se preferir, fale com qualquer plantador de arroz (se bem que eles estão mais espertos do que nunca). Se não conseguir falar, tente entrar nos seus galpões e você verá as embalagens de veneno.

Que tal aquele bife suculento? Não. Vamos ficar com a carne de panela caprichada, bastante comum no sul. A maior parte dos rebanhos de gado, hoje em dia, é tratada com ração e em confinamento. Os animais caminham pouco, pastam menos ainda e ficam lotados de comida. Conforme o lugar, os criadores dão cevada, massa de soja, entre outras “coisinhas”. Ah, e não podemos esquecer de mencionar as injeções! É vitamina disso, vitamina daquilo, tudo químico. Na sequência, o boi vai para os matadouros e sabe-se lá o que fazem para conservar sua carne… Ao vê-la na prateleira do supermercado você fica impressionado com a cor lindinha daqueles pacotes embalados? Você acha que aquilo é o que? É corante! Altamente cancerígeno!

Sou carnívoro desde pequenininho. E pela minha longa experiência, consigo perceber, sem esforço, o quanto é artificial o gosto dessa carne. Lá em casa, comprávamos gado de criadores conhecidos, apenas de pastagens. O sabor era outro, não tem comparação!! Não estou aqui para julgar se comer carne é bom ou não. E até concordo com os vegetarianos. Mas o churrasco sempre simbolizou os momentos em que a minha família se reunia para relaxar um pouco aos domingos. Raros momentos… Na época, minha referência de boa carne era outra. E nem vou citar o frango porque já falei sobre ele no café da manhã. Mas acho que vale ressaltar a relação entre o aumento do consumo e a crescente incidência de pessoas com câncer nos últimos tempos.

Mas voltemos à carne de panela. Nela, a cebola não pode faltar! Nem consigo mensurar o grau de intoxicação desta cebola. O que posso dizer é que, geralmente, os produtores usam o roundup, um pesticida (agrotóxico) que mesmo em pequenas quantidades causam danos sérios à saúde. E não sou eu quem afirma isso, são estudos comprobatórios. Ao passar o roundup na terra, as plantações ficam “lindas”, sem a “feiura” das ervas daninhas. Agora pense na força disso… O pimentão também agrega sabor ao prato em questão, não é? Pois saiba que, oficialmente, é o segundo “produto” mais envenenado. E aquele tomate bem vermelhinho?? É óbvio que os grandões vão dizer que é tudo controlado, dentro das normas, que nada faz mal… Conta isso pra outro! É claro que, ao plantar tomates sem agrotóxicos, como fazemos na nossa comunidade, por exemplo, a produção é bem menor. E pouca produção não rende grana, lucro…

Não estou preocupado em postular nada, fornecer fontes, ou provar qualquer coisa… Se não quer acreditar, não acredita. Particularmente, não vou ganhar nada com a sua crença ou descrença. Mas, por favor, ponha o seu cérebro para funcionar!

Depois de picar todos os ingredientes para a sua deliciosa carne de panela, vamos refogá-la, bem refogadinha, no óleo de soja. E é aí que me bate uma saudade da boa e velha banha! Sim, ela aumentava o colesterol, mas não era envenenada. óleos extraídos de fontes menos nocivas, como os de girassol e os de milho. É o que dizem por aí. Mas sei lá, pesquisa aí… E para o prato ficar balanceado e colorido não pode faltar aquela saladinha! Nas alfaces, geralmente, são utilizados herbicidas e fungicidas. Elas também são conservadas de maneira não muito natural para que durem mais tempo. E nessa ordem ainda entram repolhos, rabanetes, berinjelas… Light? Sim. Saudável? Hummm…

E se você quiser uma polenta para acompanhar o almocinho? Só se for de milhos transgênicos, ou seja, geneticamente modificados para aumentar a qualidade (oi?) e a resistência às pragas nas lavouras. Aliás, só a nível de informação, países como França e Alemanha proibiram o uso do milho transgênico. Nada de polentinha por aquelas bandas.

Depois desse rango esperto vem a sobremesa! Com açúcar, claro! Eis um dos piores venenos. Porque além de detonar o físico, detona o emocional. Eu sou viciado em açúcar, sabe. Fumei por 44 anos e consegui largar o cigarro. Agora o açúcar… Mais poderoso que a nicotina! E aquela coca gelada?? Se você insistir em tomá-la como água, merece a taça do suicídio lento e gradual. Pode te inscrever na Unimed porque o teu futuro será deles.

Só que existe saída para tudo isso. E a porta deve ser construída por nós. Precisamos deixar de consumir tanto lixo. Eu não sou boi para andar em boiada. Adoro ir no buffet e ver aquelas coisas lindas, mas é tudo engano. Estamos morrendo pela boca, principalmente por conta da nossa carência emocional. Ela faz com que nos atiremos na comida. Precisamos criar redes, núcleos e maneiras de produzir alimentos saudáveis, e dizer não ao veneno nosso de cada dia.

Lá na comunidade estabelecemos regras. Embutidos não entram! Refrigerantes também não. Açúcar? Tentamos diminuir ao máximo. Sal idem. Estamos fazendo nossa horta e plantamos frutas. Também fazemos nosso iogurte e queijo. E vamos crescendo juntos. Repensar essa questão é escolha sua porque existem opções mais saudáveis. Algumas são um pouco mais caras e trabalhosas, mas valem à pena. Eu já cansei de ver gente doente, lamentando o passado. E espero que isso sirva de lição para o futuro.

O veneno nosso de cada dia, que nos dai hoje.

cafe-da-manha-660x330

Por Prem Milan

Se você observar sua alimentação, vai tomar um susto com a quantidade de porcaria que comemos. Podemos começar bem cedo. De repente no desjejum. Seja a sua mesa mais pesada com ovos fritos e o bom e velho pão francês; ou uma mesa mais new age com yogurte e pão integral. O que você preferir, isso fica a seu gosto, pois o veneno é o mesmo!

Se tem o nutritivo suco de laranja, saiba que ele é produzido principalmente em São Paulo, com laranjas lindas, abarrotadas de agrotóxicos. Muito adubo químico, gente. “É preciso produzir”, é o lema. Eles usam um banho químico “básico” na “fruta”. E quando teus olhos vêem o produto, já começam a saltar e você saliva como cachorro. Pura imagem… Você já perdeu até a noção do gosto de uma laranja. Se quiser, vem aqui na Comunidade Osho Rachana em Porto Alegre, que eu te mostro o gosto de uma laranja de verdade.

Depois o pãozinho integral, óbvio. Afinal de contas, estamos falando da era moderna. Farinha de trigo, plantações extensivas. Nem sei se tem transgenia, nunca se sabe. Mas muito adubo, isso com certeza. Primeiro veneno para matar erva daninha: Randup. É o veneno sensual que deixa a terra pelada. E no meio do crescimento mais um veneninho, para nenhuma praga atacar a plantação. Depois da colheita do belo trigo envenenado, é feito o pão integral que no processamento já leva mais veneno. Na farinha branca nem se fala… Mas um cacetinho (pão francês) quentinho é muito bom. Confesso, também gosto. Ainda mais se eles colocam o glutamato que deixa aquele sabor, que vou te contar!

Depois vem o nosso leite. Tão saudável… O leite é uma das coisas mais vergonhosas, porcas e falcatruas que tem no Brasil. E eu conheço porque eu criei vacas durante dois anos e vendia leite. Funcionava assim: vinha um caminhão no meu tambo colher o leite. Todo dia 1 mil, 1,2 mil litros de leite. Tudo limpíssimo com máquinas e tudo esterelizado. Esse caminhão misturava o leite da minha produção, com o leite trazido de um produtor de 3 km dali, que tirava o leite com a mão, totalmente contaminado.

Posso também falar das vacas. Nas regiões onde tem cervejaria, você dá os resíduos de cevada para elas comerem. É barato, faz a vaca dar mais leite, mas é uma verdadeira bomba! Sabe-se lá quanta porcaria que tem dentro desses resíduos. Outra porcaria usada na alimentação das vacas é a massa de soja, chamada de massa branca. Essa, sim, aumenta muito a produção de leite e em dois anos uma vaca fica destruída comendo isso. Os ossos e o fígado não prestam. Agora, imagina você, se isso não vem no seu leite.

Hormônios? Esse aí todo mundo jura de pé junto que não usa. Conheço o boostin, entre outros, que faz dar muito leite. Aumenta 20% a produção. Isso é tão forte que se a vaca não está prenha, ela não consegue mais reproduzir. As próprias pastagens já são cheias de adubo químico, que ingerido pela vaca, vai sair no leite!

Tem ainda a desverminação dos animais, na qual o leite deve ser descartado por 4 dias. Você acha que algum produtor descarta? Meus próprios funcionários me chamavam de burro porque eu descartava. Diziam que trabalharam em outros tambos e isso nunca era feito e não aparecia nenhum indício nos exames. E o antibiótico? Esse faz com que o leite deva ser descartado por 5 dias. Piada, nunca fazem. Me informei com outros criadores e ninguém descartava. Esse tipo de leite não é bom tomar, sabia?

Agora quando entra na fábrica o bicho pega. Primeiro chega a se dar um banho químico. Honestamente não sei o que é este banho químico, mas deve ser algo muito forte para matar todas as bactérias. E o que eles fazem? Tiram a gordura pra fazer queijo e outros. No fim, sobra uma gororoba, que com mais alguns químicos fica o leitinho nosso de cada dia, que vai para o seu amado filho!

Tudo isso dentro de um consentimento legal. Veja, não estou falando do ilegal, aquele que deu manchetes e estardalhaço. Não… O legal mesmo já é podre, no meu conceito. Acontece que é tão fácil pegar a caixinha no supermercado. Está tudo ali ao alcance do braço, basta esticar e colocar no carrinho. Ainda mais agora com as embalagens tetrapack. Conservam o leite por até 3 meses. É um absurdo!

E vamos em frente. Quem sabe o peito de peru, ou o chester – não posso falar da marca, pois vou acabar levando processo. Chester é uma distorção genética de um animal que derivou da galinha. Você pode imaginar o que é… Criado em cubículos, com luz dia e noite, para comerem sem parar. É tudo um esquema muito veloz para gerar lucro. Rações cheias de vitaminas para multiplicar e mais aquilo que chama de fator de crescimento (hormônios). Eu crio galinhas no meu sítio. Levam 5 meses para estarem prontas para comer. Na produção normal, levam 45 dias. Pense um pouco, o que deve ser feito para fazer essa diferença? O que eu faço é dar milho e farelo de soja. Imagina as bombas que tem na ração deles. O que vai ali para conservar esses “animais”. O que fazem é manter cadáver com uma cor boa e por muito tempo, os famosos corantes e muito formol.

E quando você vai comer um ovinho? Todos iguais e bonitinhos. De uma galinha que vive num cubículo onde ela não pode caminhar. Esses bichos não podem gastar nenhuma energia, tudo é reservado para fazer ovo. Já se perguntou o que tem que ter na ração para a galinha, para que ela possa botar um ovo por dia? As minhas galinhas, eu te mostro, não botam um ovo por dia. Até pensei em fazer um programa de meditação para ver se elas conseguem se equiparar a produção normal, mas desisti. Elas fazem um ovo a cada dois dias. E olhe que são muito bem tratadas. Agora, esse ovo é muito gostoso. É outro papo, outro sabor.

Isso porque estou só no café da manhã. Você pode achar que uso termos pesados. Mas só posso usar termos assim pelo tipo de sacanagem que estão fazendo com a gente. Seu filho vai ser deprimido ou hiperativo por tanta porcaria que ele come nessas bolachinhas. Nesse belo café da manhã. Solução? Ritalina para ele… No fim, vai ter sempre alguém ganhando com isso. Essa alimentação, na verdade, é um investimento para uma saúde precária no futuro, pois é lá que vem a grana forte, quando você tiver um câncer. Para evitar isso, você paga um plano de saúde pelo temor do câncer e poder ter hospital gratuito (atendimento vip, mas tu está todo fudido). A roda gira e o sistema se fortalece. E eles seguem ganhando milhões. Depois eles financiam os times de futebol. Pra ficar de bem com a galera! Eles botam os seus nomes na bunda dos jogadores, para os quais pagam fortunas, extraídas dos nossos bolsos pelo medo que temos. Daqui a pouco eles vão botar uma cara rindo da gente.

Nosso café da manhã é um investimento para o futuro. O futuro dos hospitais, dos grandes laboratórios, pois o que nós estamos comendo é um monte de hormônio de crescimento. E isso faz nossas células crescerem e assim nasce o câncer. A partir das células do seu corpo que crescem. E no fim, ali no corredor da morte, desesperado, você se apaixona pelo hospital, pelo médico e pelos remédios. Eles são o ponto final da linha de produção. É tudo engrenagem de uma mesma máquina. Olha, é tanta gente que ganha com isso. Dinheiro ganho com o veneno. E pra nós é tão cômodo, está na prateleira do supermercado. As facilidades do mundo moderno.

Isso colocando os casos extremos. Existe ainda a baixa de energia, a baixa de tesão… A  falta de vida! E com isso combina o quê? Filme, internet, faceboook. E a gente vai esquecendo da vida e ela vai passando. O corpo da gente vai encalacrando. Isso só no café da manhã. Semana que vem nós vamos almoçar juntos, ou talvez você prefira aqueles buffet belíssimos, mas sem sabor. E eu sou o rei do atrolho. Adoro o bom galeto com polenta! Mas não quero me suicidar. Gostaria que você entrasse nessa onda. Se você quiser abrir a cabeça, te convido para almoçar comigo.