Viver para quê?

img_5979

Por Milan

Seja para gregos, troianos, iniciantes, iniciados ou evoluídos, qual o sentido da vida? Será que o sentido da vida é obter boas posses? Uma boa velhice? Uma mulher ou um homem? Uma família? Qual o real sentido da vida? Você já parou algum momento para sentir isso? O mundo, a sociedade, a família, o padre, o político, todas essas entidades nos falam o tempo inteiro sobre o sentido da vida. Só que é sobre um sentido que interessa à viagem deles. Por exemplo, para o empresário, o sentido da vida é que você consuma, que você tenha posses, assim como para o comerciante. Para esse, para aquele, para qualquer pessoa a vida tem um sentido de acordo com seus ideais. Já parou para saber qual o sentido da vida para você?

Em algum ponto, no sentido da vida que você conhece, realmente está você? Em algum ponto está descobrir quem você é? Será que em algum momento isto está na sua pauta? Em algum momento está na sua pauta descobrir a sua verdade? Ou isso não existe? Simplesmente isso foi soterrado por esta vida neurótica, atribulada, desconectada. Soterrado pela nossa carência, pelo nosso desespero emocional do dia a dia. Será que no seu sentido da vida consta a palavra indignação? Ou simplesmente é que nem disse Chico Buarque: “A gente vai levando, a gente vai levando…” com ajuda do Whatsapp, Facebook, uma ilusãozinha com um homem ou com uma mulher… Pouco sexo, pouco contato, pouca emoção, pouco amor, mas muitos programas para gastar o tempo. Hoje em dia até se caça Pokemon. Quando me contaram isso eu fiquei chocado. As pessoas me relatando de um casal no Parcão, um para cada lado, caçando Pokemon! Devo ser muito quadrado e agradeço por isso, porque é uma profunda idiotice. Se você faz, saiba que é uma idiotice e eu não estou escrevendo para te agradar.

A sociedade, o sistema trazem tantas demandas que não há um segundo para parar e simplesmente estar consigo. Parar para nos questionarmos a partir de nós e não a partir de eventos que acontecem fora. Não a partir de uma história de amor que não deu certo. Hora, eu tive muitas histórias de amor que não deram certo, mas amor é uma prova e não um acontecimento. Não tem como não dar certo. Eu cresci, aprendi, me expandi como ser. Afinal, o que é dar certo? É fazer bodas de prata, 25 anos juntos? Olha, pergunte para um casal que tem bodas de prata qual o grau de satisfação que eles tem. Existe algum? É óbvio que se faz uma festa, tem uma alegria. Aguentar uma pessoa por esse tempo todo deve ser uma das tarefas mais terríveis do mundo e concordo que deva se fazer uma festa para celebrar essa tarefa árdua. Pode me chamar de louco, mas não vejo nada de amor nisso. Apenas pessoas dependentes que se apoiaram uma na outra para viver. Menos a sua vovozinha, que fez até bodas de ouro. Ela transava muito bem com seu avô, aquele que é uma pessoa brilhante que todo mundo quer estar perto. Claro que não!

Ninguém quer olhar para o sentido da vida. Eu estou nesta busca, muitas pessoas que conheço estão nessa busca. Cada vez mais descobrimos que esta vida é um caminho com montanhas, com curvas, com planícies e com tudo que é tipo de coisa. Essa caminhada se torna o sentido. A forma como você caminha. Se você caminha nessa estrada desconectado, com pouco contato, ou presente nas coisas, com muitos companheiros de viagem.

A gente vai descobrindo que o caminho é viver todos os sentimentos. Viver meu medo, minha dor, minha raiva, meu amor, minha alegria, meus sonhos. Esse equilíbrio entre as emoções é que torna as emoções reais. Embasadas naquilo que está acontecendo naquele momento. Por que essas emoções podem ser absurdamente programadas. Conheço pessoas que fazem imensas declarações de amor e não sentem isso. Elas sentem desespero de perder aquela pessoa ou tem uma necessidade profunda em agradar, mas no dia a dia você não sente esse amor, essa delicadeza, essa energia.

Eu vejo gente que vive sentindo dores do passado. Nunca da situação real presente. A dor, a tristeza é uma emoção que faz parte. Assim como a alegria e a raiva. Vejo cada vez mais esses sentimentos serem bloqueados e substituídos por sentimentos já programados. Aquela velha frustração que você carrega desde a infância por nunca ter sido validado pelo seu pai, pela sua mãe, reconhecido. A dor de um amor que já se foi. A raiva de uma pessoa que te rejeitou, você fica remoendo essas coisas por dois, três anos. Isso são emoções programadas. Você para de viver o momento e vive uma fantasia de mundo. Você cria um mundo irreal para você.

Eu tenho um filho de 14 anos. Às vezes é bem difícil trazer ele para real. Ele prefere aqueles jogos interativos ao invés da vida real. Há pouco tempo que ele começou a se conectar com isso e está preferindo jogar futebol, estar com as pessoas que moram aqui ao invés de estar na Internet. Nos vários espaços que sobram ele continua na Internet, mas está no caminho. Ninguém vive a real na Internet. Seus amigos da Internet são uma farsa, ninguém dá a real, ou você dá? Sua realidade com o amor, como você está se se sentindo, suas dificuldades sexuais, seus problemas com seu parceiro ou parceira.

A grande maioria das pessoas diz que transa bem, a grande maioria delas. Eu sempre faço uma pesquisa nas minhas palestras que prova o contrário. Pergunto para uma das pessoas aonde ela vive, quantos prédios existem no condomínio ou próximos, quantos andares e quantos apartamentos. Daí peço para falarem quanto barulho de sexo elas ouvem. As respostas sempre são nenhum ou um casal ali ou outro de vez em quando. Ninguém transa quase nada, ou vai ver que todo mundo só transa em motel. Os motéis devem ter filas enormes! Vamos estabelecer o dia da verdade! Todos nós vamos entrar no Facebook e falar a verdade sobre nós. Imagina o que ia dar? Imagina apenas você fazendo isso. Falando tudo o que você acha e pensa de você e das pessoas. Faz essa brincadeira. Nem que seja para gastar parte do tempo que você fica na Internet.

Como você vai achar um sentido na vida se você não acha você mesmo. Aí você diz: “eu sei quem eu sou”. Claro que sabe. Você tem uma carteira de identidade que diz quem é você com CPF, endereço, profissão e estado civil. Tem comprovantes de viagem e cartão de crédito. Quero saber se você se conhece na sua raiva, no seu amor, no seu tesão. Esse é o sentido de uma meditação chamada AUM que acontece todas as terças, às 20h30 no Namastê. É uma meditação em que você experimenta viver seus sentimentos. No primeiro estágio experimenta viver sua raiva, depois seu amor, sua expansão, sua vibração, sua catarse, botar para fora, o seu choro, o seu riso, a sua sensualidade, a sua conexão contigo, a sua amizade com as outras pessoas… Apenas uma meditação pode produzir esse efeito incrível, você se sente mais íntegro consigo mesmo. Essa é uma pista. Estou fazendo comercial? Comercial de coisa boa não tem nenhum problema fazer. Estou falando sobre coisas que podem fazer muito bem a você. Coisas que podem te ajudar na sua busca de quem é você. Porque isso ajudou na minha busca.

Ao expressar minha raiva vi o quanto tenho guardado que opera sem eu perceber; vi o quanto de amor eu tenho dentro e quão pouco eu expresso. Ao praticar as meditações eu comecei a expressar cada vez mais. Alguém tem que lembrar das pedras preciosas que nós temos, porque senão tudo é jogado para fora. Procuramos tudo fora. Ou eu estou ficando louco e se estiver eu escolho ser louco a viver sem me conhecer.

Estamos na época do morango e é bem difícil plantar orgânicos. Estou tentando há três anos e agora consegui. Estamos colhendo uns 10 kg de morango por dia. Sou grato por adquirir novamente o gosto por esta fruta. Na minha infância existia morangos de verdade depois nunca mais tinha comido um. Lembro que quando eu ainda engatinhava já ia atravessar a cerca do vizinho e comia os morangos dele. Ele só falava para minha mãe e ria. Todo mundo aqui da Comunidade adorou. Hoje eu colhi tomatinho cereja sem nenhum veneno, completamente natural. Não precisa colocar vinagre, nem sal ou azeite, nada. Um fruto maravilhoso. Vai no Zaffari, pega um tomate e vem aqui na Osho Rachana. Vou te dar um dos nossos tomates orgânicos para você comparar. Essa é a melhor analogia sobre a vida. Só assim você vai entender sobre quem é a pessoa de verdade e quem é a pessoa que você está sendo. Você está sendo o tomate do Zaffari. Você vai ver que são bem semelhantes, mas o sabor, a textura, são completamente diferentes.

Estou te convidando para meditar, para ter um amor, uma alegria, um riso espontâneo. Hoje acordei com meu netinho e ele deu um peido com aquele barulho e ficou um tempo rindo comigo do seu peido. Essa é a beleza da vida, não precisa de um sentido intelectual nas coisas. Tudo isso está dentro de você. Sua espontaneidade, esse sorriso inocente que faz com que a vida se espalhe pelas células do seu corpo. O sentido de ser humano. Boa busca, brother.  

 

Anúncios

2 comentários sobre “Viver para quê?

  1. Oi, belas reflexões e sinceras declarações parece ter vindo de quem tem consciência de si, coisa que só a maturidade e as inquietações podem nos propiciar, isso se a gente parar de correr e fugir de nós, não é?
    Agora, o que me deixou bem interessada foram os morangos. Onde poderia encontrá-los?
    Flw \o/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s