O medo é uma armadilha que prendeu o amor

capa flyer gincana.jpg

Por Milan

Um dos maiores presentes que tive na minha vida foi o amor, foi amar. Eu me lembro perfeitamente do quanto eu cresci. Sempre me dava vontade de mais. Eu não tinha vontade de me encolher. Era uma força tão grande dentro de mim que eu queria compartilhar com outras pessoas. Eu queria passar essa vibração. Eu nunca quis um isolamento. Eu me lembro sempre que estava com os amigos, amigas, grupos em volta. Acampar em turmas. Talvez, essa foi a razão dos meus amores serem mais duradouros e mais profundos, mesmo que você fique brabo e me ache arrogante. Vivi profundamente o amor. Tinha medo de perder a pessoa? Tinha. Mas esse medo nunca ganhou. Eu nunca fui para segunda divisão por medo de estar com gente mais legal e minha parceira ficar afim de outra pessoa. Aliás, é ridículo um monte de casais terem medo de conviver com pessoas interessantes pelo risco de ficarem afim de alguém e por isso se escondem. Ora, uma pessoa que toma esse tipo de atitude lá dentro deve se sentir muito mal. Claro que ninguém coloca isso no Facebook. “Não vou a tal festa porque tenho medo que meu parceiro se interesse por outra”. Bom, aqui na Comunidade, no Namastê, na Gincana, muita gente faz isso. Tem medo das mulheres bonitas, dos homens bonitos que tem aqui. Medo de gente com mais conteúdo. A pessoa se esconde e faz de conta que é feliz, mas o amor que não corre nenhum risco, para onde vai? Amor que não tem nenhum atrito é igual a funcionário público. Nada contra eles, mas eles não tem nenhum atrito para crescer. Eles sabem que não vão ser demitidos de jeito nenhum e acabam por não ter nenhum estímulo, nenhuma vontade. Como isso acaba? Em depressão.

Todo esse papo de ocupar prédios públicos, escolas, sair em passeata para gritar “Fora Dilma”, toda essa agitação política, muito legal! O problema é que no fundo, no plano emocional, são todos Temer. Medíocre, pouquinho, cagado de medo de grandes homens ou de grandes mulheres. Para fora berra para o Governo e para grandes instituições o que deve ser feito, mas na vida pessoal é medíocre. Todas as transformações do mundo, diversos tipos de governo alternativos que tentaram não deram certo. Sabe porque? Por que o amor foi deixado de lado. Porque a sexualidade foi deixada de lado. Não estou falando do amor pela igreja, do padre, dos espiritualistas que amam tudo e todos. Estou falando do amor com atrito, do amor com tesão, do amor de construir as coisas, amor que tem garra, alegria, raiva, êxtase e tristezas. Não esse amor aleijado, que tem que caminhar por estradas retas, asfaltadas, sem nenhum tipo de desafio.

A maioria dos amores que tem por aí são pernetas, mancos, coxos, que só andam por caminhos preestabelecidos, sem nenhum risco. Casais que escolhem estar em locais aonde não tem muito contato com outras pessoas interessantes, que não tem risco. Praia do Rosa, Praia da Guarda, ali aonde tem gente que são só aparência, sem profundidade. Escolhe passar horas em engarrafamentos, muita maconha, muita cerveja e muito blá blá blá. Ou aqueles que optam por passar o final de ano com a família, “Oh my God”! Também tem aqueles que tem tanto, mas tanto medo, que vão acampar no mato, bem isolado! Cuidado hein… os passarinhos são capazes de ficarem afim da sua gata e daí você vai se dar mal.

Tenho medo de gente e de solidão
Tenho medo da vida e medo de morrer
Tenho medo de ficar e medo de escapulir
Medo que dá medo do medo que dá”

Lenine, música Miedo

Assim nós seguimos para depois voltar para nossas vidas frustrados. A grande maioria das nossas amizades são muito superficiais porque a gente está tirando cada vez mais de fora o coração, o se importar, o se envolver, e isso é de quase tudo. Você não se envolve mais com seus sonhos, com aquilo que gosta de fazer. Você está preocupado em fazer aquele algo, mas não se você gosta daquilo ou não. Assim o mundo fica cada vez mais neurótico, mais triste. Tipo aquelas manifestações do ano passado no “Fora Dilma” que foram apenas um desabafo das coisas contidas. Porque agora está uma merdelança com o Temer e Cia Limitada e as pessoas não tem mais aquela força, são alguns poucos. Acho que tinha que ter o “Fora Dilma” sim, mas tem que ter o “Fora Temer” também. Gente, Fora Gilmar Mendes e toda essa laia que usou todos os cagões com objetivo de tirar a Dilma e colocar alguém que ia beneficiar eles. Conseguiram. Agora, como não tem manipulação, ninguém consegue fazer nada e os meios de comunicação, os juízes, os deputados, que Fora Temer que nada. Não tem isso. E agora você não sabe o que fazer. Mas pelo menos você devia começar a mexer seu rabo na sua vida pessoal e correr riscos. Eu tenho um desafio para você, um convite, vem para Gincana Namastê e você vai curtir para caralho. Mas tem que ter coragem para conviver com 200 pessoas que estão com o coração aberto e cheias de energia. Realmente precisa ter coragem para mexer com a sua vida.

Têm medo de rir e medo de chorar
Têm medo de se encontrar e medo de não ser
Têm medo de dizer e medo de escutar
Medo que dá medo do medo que dá”

Lenine, música Miedo

O medo não vem escrito em letras garrafais na nossa cabeça. Não é igual ao whatsapp, “estou com medo”, não! O medo se disfarça, pois desde criança nós aprendemos que não podemos demonstrar medo. Nós temos que ser fortes e temos que near isso, seria muto vergonhoso dizer que eu tenho medo de ir naquela reunião da Gincana pois tem uma mulher que mexe comigo e tenho medo de me apaixonar por ela. Seria corajoso, muito bom, se você conseguisse dizer isso, porque aí você lidaria com seus medos reais. Porque o medo aparece assim: “Não vou lá porque acho chato, porque não estou com vontade, não vejo sentido, aquelas pessoas são estranhas”. Na real você tem medo de encarar as coisas. Medo que uma meditação mexa contigo, que aquele rapaz fique afim de você. Não fique esperando whatsapp do medo que ele não vem via whatsapp. Ele bloqueia a sua energia e vem representado por outra coisa. Na real, 90% dos nossos medos são infantis e ridículos, por isso eles tem que ser disfarçados, porque eles são vergonhosos. Praticamente 90% das coisas que você não faz são por medo. Vejo aqui no Namastê um monte de medo. Mulheres sozinhas com medo dos homens. Homens sozinhos com medo das mulheres. Na Gincana é algo incrível! São tantas pessoas querendo namorar, querendo se envolver que as pessoas se cagam e preferem passar o fim de ano com a família, ir para o Rosa, com a aquele bando de gente chata, cheirando na beira da praia, fazendo de conta que a vida é boa. Ou seja, lá tem a droga que você inventa. Na real, você tem medo, não espere ele te mandar uma mensagem por whatsapp.

Nós estamos rompendo com nosso medo, nós não estamos bloqueando, nós estamos rompendo. Temos medo das coisas? Sim. Mas dia após dia nós estamos indo e fazendo. Como diz a música do Taiguara: “Nós estamos inventando a vida, como se antes nada existisse”, e eu acho que é por aí. Cada um de nós tem a obrigação de viver nosso potencial humano e o nosso potencial humano passa pelo coração, pela tesão, pela amizade, pela criação. Sem isso, a sua vida é inhumana, sem graça, sem sentido. Eu sei que nos encheram de medos de tudo isso. Mas você vai parar no medo? Vai continuar no medo? Ou você quer se mexer? Ou você acha que tem que digitar procurando no site: como deixar de ser cagão? Você acha que tem que te dar tudo mastigado? Tem que te dar um comprimido? Procura meu! Procura! Você é uma pessoa capaz, nasceu assim. A sua educação, o teu sistema familiar, fez de tudo para bloquear a sua capacidade, para você ser um pau mandado. Se você quer mudar, mexe teu rabo. Eu mexo o meu. Eu conheço pessoas, e muitas, que transformaram a sua vida, se redescobriram. Vale muito a pena. Agora, é tudo uma escolha sua meu. Eu conheço esse caminho de risco, de aventura e de alegria. É um caminho aonde a gente fica muito vivo. Tem outros caminhos, os caminhos dos mortos, dos semi-mortos, ou seja qual caminho que você queira, mas te lembra, o coração é a base de tudo. A entrega. O risco. Só acontece com vivos. Faça algo novo nesse fim de ano. Volta a ser humano.

O medo é uma sombra que o temor não desvia
O medo é uma armadilha que pegou o amor
O medo é uma chave que apagou a vida
O medo é uma brecha que fez crescer a dor”

Lenine, música Miedo

Muitas aventuras no ano novo!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s