Alguma coisa está errada comigo

brochar

Todos os meus amigos compartilhavam o quanto eles eram foda na cama. Eu me sentia muito mal com isso, era o único que não conseguia ter uma boa experiência no sexo. Alguma coisa estava errada comigo.

Lembro-me aos 23 anos, quando eu transava com a minha namorada, que todo o encontro sexual era uma frustração. Eu ejaculava nos primeiros 5 minutos de penetração. Eu sentia muita tensão no meu corpo, só funcionava na segunda vez (meia hora depois), e era em torno de 15 a 20 minutos. Era tudo muito controlado, a mulher não podia fazer muito som ou se mexer muito, porque eu ejaculava logo. Apesar de ejacular, que muitos pensam que é sinal de prazer, eu não tinha prazer durante a transa e no final eu só sentia o alívio da tensão que carregava.

Eu fiz várias coisas para mudar a situação. Pesquisei na internet técnicas para aguentar mais, mas elas não mudavam nada, a tensão continuava. Outra coisa que experimentei foi preservativos e produtos que retardam a ejaculação. Também não funcionava, ou eu gozava nos primeiros 10 minutos ou eu brochava por causa do retardante. Também experimentei me masturbar meia hora antes de transar com a namorada, e não fazia grande diferença. Passava muitas horas por dia na internet pesquisando soluções, “pacotes mágicos” para solucionar o problema, técnicas de massagem e de masturbação, nada trazia resultado, frente a uma mulher pouco ou nada era diferente.

Me sentia frustrado e mal porque eu não conseguia satisfazer a mulher, não conseguia ter o desempenho esperado, me sentia pouco homem, era isso que passava na minha cabeça. Eu não pensava em mim, como era para mim a experiência. Só tinha prazer me masturbando, num encontro com alguém a experiência era horrível. Se alguém me perguntasse sobre as melhores transas que já tive, eu não conseguiria falar, até os meus 26 anos eu não tive.

Tinha pavor que algum dos meus amigos soubesse ou que descobrisse e andasse a espalhar por aí do meu problema e que todos zoassem e rissem de mim. Eu só pensava que alguma coisa estava errada comigo e não sabia o que era. Com tudo o que experimentei para solucionar o problema, eu pensava que não era ejaculação precoce, pensava que era algo mais grave e eu guardava como segredo. Eu me tinha conformado que não havia solução mesmo, que era assim mesmo, que tinha que viver com isso pro resto da minha vida.

Já fiquei dois anos sozinho, sem transar com ninguém. Esse problema me impedia de eu chegar nas mulheres ou de deixar que elas chegassem. Eu evitava o problema, para não me sentir mal e frustrado, era certo que isso ia acontecer em qualquer encontro sexual. Eu achava que transar não é algo assim tão importante numa relação amorosa, na minha vida. Por muito tempo eu fiquei frustrado com esse problema, me sentia pouco homem, tive poucos encontros amorosos e poucas experiências sexuais por causa disso e isso me impediu de viver o meu prazer, o prazer no meu corpo.

Do tico cagado ao superman pênis

IMG_5504

Na minha adolescência eu fazia um esforço absurdo para transar mais do que 10 minutinhos. Cheguei a pesquisar várias técnicas que poderiam me ajudar a segurar a ejaculação. Aquela de fortalecer o músculo do períneo, de bater uma punheta antes de transar, e até pensar na vó no momento de gozar. Duvido que a maioria dos homens nunca tenha pesquisado como fazer para segurar aquela vontade louca de gozar.

Eu sentia muito medo de ser rejeitado pelas gurias, e no meio de toda essa insegurança, eu acabava frequentando assiduamente os puteiros de Porto Alegre. Lá era uma maravilha, o paraíso, o verdadeiro parque de diversões. Eu me sentia o cara mais gostoso do mundo, e quando as putas gritavam de “prazer” definitivamente eu me sentia super validado. Até a frustração de gozar rápido desaparecia, afinal de contas eu sabia que não importava, eu era validado igual.

Fiquei nessa onda durante alguns anos, ou ia nos puteiros, ou tomava um trago até sair da “casinha”, ou os dois juntos. Posso dizer tranquilamente que isso só acontecia porque eu ficava muito puto e frustrado quando ia nas festas e não rolava nada. Era muito pânico de chegar em alguma guria, tomar a frente, me arriscar. Obviamente eu sempre acabava procurando o caminho mais fácil, vulgo Farrapos.

Ainda assim o fato de gozar muito rápido me perturbava. Afinal, quando eu tinha a sorte de transar com aquela gata, meu deus, eu não podia fazer feio de jeito nenhum. Foi numa dessas que eu descobri o famoso azulzinho. Fui do genérico até o autêntico Viagra, com ‘V’ maiúsculo. Já experimentei muitos tipos de drogas para sentir prazer, relaxar e pirar o cabeção, mas o azulzinho é arrasador, era um companheiro que me ajudava a ficar extremamente seguro. Ele transformava meu tico cagado em um superman pênis. E posso descrever exatamente os efeitos.

Na verdade era um ritual. Eu combinava o encontro com a gata, levava para jantar (clássico) e quando tudo estava certo, no caminho para o motel ou qualquer que fosse o lugar, eu tomava o comprimido. Eu já sabia, 30 minutinhos antes. E então eu começava a sentir um calor pelo corpo todo, o coração começava a acelerar, o rosto ficava vermelho e quente. Nesse momento um tesão desproporcional começava a surgir do além até que milagrosamente o pau ficava duro tipo uma rocha. Confesso que era tão desproporcional que eu ficava com medo que a guria desconfiasse que eu tinha tomado algo.

Aí é como se tu te tornasse um super herói mesmo, afinal meu objetivo principal era sempre a validação. Para mim era muito importante manter a imagem, de jeito nenhum eu queria que ela falasse mal de mim para as amigas. Quando começávamos a transar era muito e muito tesão, e se o coração já dispara naturalmente, com o azulzinho parece que o coração vai sair pela boca. A vontade de gozar é normal. No primeiro sinal de prazer da companheira, tudo fica tenso e nada é capaz de conter a ejaculação. Mas então, novamente outro milagre, o pênis dá uma bobeada, mas voltava a ficar duro tipo uma rocha. Agora vem a parte estranha, o tesão diminui em uns 95%, e mesmo sem tesão a ereção permanece por muito tempo. A exata sensação que eu sentia é como se meu pênis fosse sempre duro. Eu não sentia mais nada. Na verdade, o que melhor descreve tudo isso é como se eu estivesse transando com uma parte do corpo que não é minha. Essa sensação é realmente bizarra. A partir desse momento a única intenção era proporcionar o máximo de prazer possível para a parceira até ela decidir parar. Então eu me sentia vitorioso. Ganhei dela, como se tudo fosse uma grande competição.

Isso aconteceu inúmeras vezes na minha vida, sempre a mesma coisa, e se por acaso eu sentisse que alguma coisa não estava legal eu já pensava rapidamente: “mandei ver, ah quer saber? Sou Foda! Ela deve estar pensando em mim até agora”. De alguma forma esse pensamento fazia eu me sentir melhor.

A sensação de ter tido uma boa performance sustentava algo dentro de mim, eu me sentia valorizado, era um ponto a mais no placar.

Fui longe nesta viagem, prazer só nas festas regadas a trago e puteiros, até que algo dentro de mim cansou e aquela rotina começou a perder a graça. Não era nada fácil, eu me sentia muito ansioso, e foi nas tentativas de acalmar a ansiedade que eu descobri a meditação. Como eu não tinha nada a perder comecei a meditar. Aos poucos passei a me interessar cada vez mais por mim. Arrisquei, me joguei de cabeça, e com a ajuda das meditações e da terapia bioenergética eu fui desmanchando cada viagem. Hoje aquela necessidade insuportável de validação já não tem a mesma força, abriram vários canais de preenchimento na minha vida, e minha sexualidade é natural, incrivelmente prazerosa. Continuarei neste processo bonito de resgate e, com toda certeza, vivendo uma vida mais plena, real e sentindo o verdadeiro prazer, o meu prazer.

Ser natural, eis a questão

IMG_5759

 

 

 

 

 

 

Nós vivemos num mundo onde enlouquecidamente queremos ser felizes e saciados. Corremos desesperadamente para esse conceito do que é ser feliz. Talvez a questão não seja essa na vida. Acredito que para uma pessoa ser feliz ela tem que ser natural. Temos que resgatar nossa naturalidade. Não a naturalidade do homem das cavernas, mas uma naturalidade amadurecida, preservada e agregada à consciência, à evolução. Infelizmente, o que nós vemos é uma destruição da naturalidade do ser humano, substituída por uma evolução distorcida a tal ponto que uma das coisas mais naturais virou fonte de medo e sofrimento. Sem a sexualidade não existiríamos. Será que você se deu conta que nasceu através de uma relação sexual? Que a relação sexual é uma das maiores fontes de prazer e alegria do ser humano? A grande maioria das espécies transam para se reproduzir, quase que exclusivamente durante o cio, mas que eu saiba, homens e mulheres não precisam de cio para transar. Trouxemos em nós a característica dos animais. Nós também somos animais.

Toda questão de sobrevivência, poder e sexualidade que tem no animal tem também no homem.  Só que no homem começa uma evolução em que a sexualidade se expande para o coração. A diferença de ser humano começa a partir do momento em que você tem a capacidade de amar. Talvez você diga que tem uma cachorrinha que é amorosa e te ama muito. Só que não! Sua cachorrinha é condicionada, ela não sabe dizer não. Talvez muitos seres humanos também sejam condicionados a amar e não saibam dizer não. Existem muitas mulheres e homens que viram cachorrinhos dos seus parceiros. Muitos vão defender que o ser humano é humano a partir do pensamento. Desculpe, Hitler e Stalin pensavam e você os considera humanos? Aquilo que os alemães fizeram na segunda guerra e mundial é humano? O que Stalin fez na Rússia matando milhões, deixando congelar, é humano? Então a capacidade de pensar, de raciocinar é uma qualidade a mais do ser humano, mas isso não nos torna humano. Nos tornamos humanos a partir da capacidade de amar, de escolher, é essa capacidade humana que temos que resgatar. O distúrbio com a sexualidade, a repressão sexual, causou uma sexualidade absurdamente distorcida. O prazer sexual foi substituído por uma descarga. As pessoas mais descarregam na sexualidade do que tem prazer. Se você se apaixonou uma vez na vida, você lembra da qualidade do seu sexo.  Neste momento era totalmente diferente. A partir dessa vida antinatural começaram os distúrbios sexuais: ejaculação precoce, impotência, perversões. Tudo isso adicionado a uma alimentação horrorosa, excesso de comida, vida sedentária e tudo mais.

Um passo fundamental é o resgate de nossa sexualidade de uma forma natural. Este é o primeiro passo. O segundo vai ocorrer naturalmente. A sexualidade vai chegar ao coração. Mesmo que não chegue imediatamente o primeiro passo tem que ser dado. Nós aqui do Namastê estamos há 20 anos tratando questões sexuais de uma forma natural. Nossos resultados são muito bons, mas primeiro a pessoa tem que ter coragem e alguma dedicação. Melhora muito! Não são longos tratamentos, com dois meses você já começa a ter resultado. Muitos me perguntam: “O que você acha do Viagra?”. Você pode ver matérias de pessoas que tomaram Viagra, elas deram seu relato. Não é o meio mais indicado, mas tem pessoas que não tem saída. Só que muitas dessas pessoas que tomam Viagra tem outra saída. Apenas tem medo e vergonha de tratar seu emocional.

Nós resolvemos entrar a fundo na sexualidade e fomos conversar com pessoas que fizeram outros tratamentos para problemas sexuais as quais descreveremos nos próximos textos que serão publicados neste blog. Resolvemos criar esta série de textos sobre a sexualidade masculina com o intuito de informar e falar sobre o que ninguém fala. Iremos omitir os nomes das pessoas que escreveram os textos por cuidado, mas apesar independente disso fica muito evidente as formas de tratamento utilizadas pela maioria dos homens. Principalmente com remédios. Eu não as invalido, as consequências para uma pessoa com impotência e ejaculação precoce são arrasadoras. Detonam suas vidas. Só trazem infelicidade, tristeza e faz gerar outras doenças com toda certeza. Com absoluta e total certeza! Então, às vezes, a pessoa tomar remédios porque não tem outra possibilidade pode ser melhor do que continuar sendo impotente ou tendo ejaculação precoce constantemente. Não acho que esse seja o tratamento melhor. O ruim é que pessoas que podem fazer tratamentos mais naturais não fazem e acabam tomando remédio por não conhecer outros tipos de terapia ou por comodidade. Muita gente que toma antidepressivo, que toma Viagra ou similares, poderiam perfeitamente se tratar com outras técnicas terapêuticas. O chocante de tudo isso é que quem toma Viagra ou faz esses tratamentos não são só pessoas de idade avançada, muitas pessoas dos 20 aos 45 anos tomam.

É obvio que ninguém fala, a maioria alega que é uma garantia, uma segurança, e isto vai detonar sua sexualidade natural, por preguiça emocional. Isto é terrível! Esperamos que esta série de textos te inspire a querer resolver a tua sexualidade. Não deixar mais ela de lado, porque se não, tudo está perdido. Eu te afirmo com certeza que tua vida vai ser um vazio sem isso. Os depoimentos a respeito de tratamento com remédios que serão relatados nos próximos textos que divulgaremos neste blog não são para invalidar este tipo de tratamento, pois se você não consegue tratar de outro jeito é preferível que tome remédio, que vá às clínicas que são mais sérias do que não fazer nada. Sempre a saída natural através do corpo, da expressão emocional, são preferíveis. O importante é que você dê esse passo. Aqui apresentaremos as várias saídas que tem. A vida sexual é uma das formas mais profundas de você chegar ao coração. Distorções sempre vão ter, mas passando por elas, você poderá depurar e chegar a uma condição mais natural que te leve ao coração. Esta é a grande viagem do ser humano!