O medo é uma armadilha que prendeu o amor

rebelde fundo-01.jpg

José Angelo Gaiarsa – fragmento do livro Sexo Reich e Eu

Era uma vez um rato que de repente se encontra em uma gaiola. Ele estava faminto e logo que entrou sentiu o cheiro do queijo. O queijo estava bem no centro de um estranho prato circular.  E quando, de água na boca e coração batendo rápido de antecipação, ele tocou o prato com uma das patas, levou um choque elétrico violento que o fez dar uma pirueta no ar.

Logo que tocou o chão, correu para o canto da gaiola mais distante daquilo que mais queria. E lá ficou até que a fome, crescendo, foi lhe dando coragem para outra tentativa. E ele se achegou, e levou outro choque, e deu outra pirueta de tortura e de novo se recolheu ao canto distante da gaiola. E ficou esperando, esperando, esperando, até que a fome o iludiu de novo e ele voltou, e se machucou, e fugiu…

Ficou muitas horas assim, indo e vindo entre a fome e a dor, entre a fome e o medo, entre o medo e a esperança de comer. Mas a cada novo ensaio o rato parava um pouco mais longe do canto afastado e um pouco mais próximo do prato fatídico. Por fim aquietou-se a uma pequena distância do prato, mas sem tocá-lo!

O visitante que chegasse ao laboratório nesse momento se encantaria com o ratinho tão bem-educado que se mantêm assim, tão quietinho tão próximo a um naco de queijo! Sua surpresa seria muito, porém, se ele tentasse fazer com que o rato se mexesse. Tudo se passaria como se o bicho estivesse pregado no chão. E o visitante ficaria muito perplexo. Tudo tão lógico não é?

É assim que me sinto diante de uma mulher, desde que nasci. Espero que para o leitor tenha sido diferente. Mas não creio, nem que o leitor jure. Vamos falar então de nossa dor comum.

PROCURE SAIR DESSA ARMADILHA

Por Milan

Ser homem significa não ter medo. Quer dizer, nós somos criados desde pequenos como se não pudéssemos sentir medo. O pior disso tudo é que a gente acha que não tem medo. É quase impossível um homem admitir que tem medo de uma mulher, e desculpe, todos os que eu conheci tem medo de mulher. Eu aprendi comigo mesmo. Eu nunca achei que tinha medo das mulheres, mas eu não entendia porque quando me tocava o coração eu não chegava perto delas. Eu sempre tinha uma justificativa: não me deu bandeira, até que não me interessava tanto… Era muito difícil sentir.

Na verdade eu tinha muito medo da minha mãe, mas muito medo mesmo, pois aquela mulher que eu amava tanto podia me machucar, me ferir.  E isso ela fez muitas vezes . Daí, a cada mulher que tocava meu coração, me vinha automaticamente um impulso dentro que eu não decifrava como medo, mas era um impulso de desviar, de se afastar, de não concretizar. Olha, precisou muita bioenegética para eu sentir lá dentro o medo que eu tinha e como eu transferia isso para todas as mulheres. Como isso foi trágico para minha adolescência e para boa parte da minha vida adulta. Quantos amores eu perdi! Quantos amores! E essa é a coisa mais preciosa, por isso que dói muito. Já detonei muito dinheiro, mas não traz 1% da dor que traz os amores que eu deixei de viver. Que saudade! Por outro lado eu sou muito grato porque eu descobri isso. Eu pude desbloquear meu medo das mulheres e não perdi mais amores. Vivi muitos. Eu só lamento os que eu perdi porque foi muito bom os que eu vivi. Então eu posso fazer essa comparação. Nós homens temos que ter essa humildade e buscar ajuda o quando antes para podermos sair desta armadilha.

Anúncios

Vazio após a transa

dhirendra01

Por Joaquim de Abreu

Aos 20 anos acabei um relacionamento. Acabei nada. Levei um grande pé na bunda. Fui trocado por outro. Eu não acreditava que tinha recebido um fora! Fiquei tão mal que não queria me apaixonar por mais ninguém. Botei na minha cabeça que iria transar com o maior número de pessoas e vezes possíveis. Transava toda semana com novas mulheres, mas toda a mulher que eu ficava não preenchia o vazio que sentia. Eu achava que era uma questão de quantidade, mas toda a transa era a mesma coisa de sempre, era igual a uma masturbação. Até eu estar com a mulher era uma alegria, mas quando começava a transar, perdia um pouco a alegria e pensava em qualquer outra coisa durante o sexo, menos no ato em si. Na real, para mim não fazia muita diferença o tempo da transa.

Eu só transava mais tempo para ficar com uma imagem boa. Mas quando vinha a hora de gozar, eu sentia alívio. E junto uma sensação ruim de asco, de repugnância, uma sensação de que não precisava ter feito aquilo… aí batia um arrependimento de ter trazido ela para minha casa, vontade de fazer ela sumir. Às vezes, eu falava para mim mesmo que era porque tinha bebido demais na noite anterior, mas com o tempo essa sensação foi aumentando, foi acontecendo mais vezes, até que acontecia sempre. No começo, era isso… eu entrava nos meus delírios. Me perguntava porque eu sentia aquilo. Achava que o problema era a mulher que estava comigo. Sempre arranjava um defeito – uma era feia, a outra era chata, a outra eu não conseguia conversar, ou então muito nova, muito velha… eu sempre ia ter uma desculpa. Então, eu fui vendo que não importava quem era a mulher, isso sempre acontecia, e estava perdendo o tesão. Transar, eu transava, mas aquela sensação ruim sempre vinha depois de cada transa.

Um dia, transei com uma amiga que não transava fazia tempo. Era uma amiga e eu a evitava exatamente por isso, para não me apegar. Depois de transar com ela não deu aquela sensação ruim. Eu olhei para ela e deu vontade de ficar junto, de transar de novo ou apenas ficar ali. Isso me deu mais medo ainda. Fiquei estranho, mas escolhi não ver mais ela. Mesmo ela me procurando, inventei algumas desculpas esfarrapadas. Sentia que se eu ficasse mais vezes iria acabar gostando dela. Eu não confiava nela, agia muito impulsivamente, e eu podia acabar me ferrando. Sumi da vida dela. Mas percebi que tinha a ver com a minha escolha de não me apaixonar novamente. Eu escolhi não me apaixonar e o sexo ficou vazio. Entre mexer no coração ou ter sempre as mesmas transas, escolhi as mesmas transas com aquela sensação ruim no final. Com isso, cada vez bebia e me drogava mais. As drogas me davam mais prazer que o sexo.