Pobre é Quem Precisa Muito – Parte II

camping

Por Prem Milan

 

Então é hora de olhar pra vida, é hora de você olhar pro conteúdo. Estão nos esvaziando de conteúdo. O sistema tá nos criando de um jeito tal, que a gente não só tá vazio de conteúdo, como de capacidade corporal, de capacidade emocional, de capacidade de amar, de capacidade de discernir as coisas.

Nós estamos virando burros, nós compramos ideias repetidas n vezes na internet, sabe? Os caras repetem mil vezes coisas. Agora, quando eu vi a Folha de São Paulo ser chamada de jornal comunista, eu olho e digo “My God!”. A Folha de São Paulo baixava o pau no Lula pra cacete, ela virou comunista? Gente, é uma burrice extraordinária. E eu não digo que a Folha não tinha razão em certos paus que baixava no Lula, agora dizer que ela é comunista? Agora o Jornal Nacional deve ter virado comunista! Gente, isto é piada. Isto é uma piada, mas vai repetindo mil vezes a ideia e a burrice fica.

Porque o sistema que tá aí quer mostrar só o fake news deles, quer que você fique bitolado e só veja os fake news deles, aquelas bobagens e mostrando um monte de coisa, como o exército trabalha, como o exército faz coisas. Gente, pelo amor de deus! Os caras fazem o que o dia inteiro? O que os caras fazem o dia inteiro, me diz? E eles ganham salário, o que eles fazem? Eu acho que eles deviam fazer um monte de estrada, no mínimo. Agora, como herói, não, me desculpe, me desculpe. Herói porque ajudaram lá em Brumadinho, mas então, os caras ficam anos recebendo salário, em algum momento eles tem que dar algum retorno, né? Sabe? Mas não to querendo brigar com milico, nada, também são seres humanos, aqueles soldados. Mas eles estão condicionados por uma ideia, nós estamos condicionados por uma ideia também, a mesma ideia consumista. Consumir, consumir, consumir.

Esse é o grande sistema que se criou, os presidentes, os deputados, são pequenas engrenagens desse sistema, e esse sistema sim que consome muito dinheiro, que tem muito, muito dinheiro. Mas muito dinheiro mesmo, entendeu? Bilhões e bilhões. E eles são muito infelizes né, eles são muito infelizes.

Aquele que não consegue dar é muito infeliz.

Eles acham que eles estão ajudando os outros, explorando cada vez mais, sabe? “Ai, to dando emprego pra eles” HAHAHA!  Tu tá vendendo para criar mais e mais miséria, é uma fábrica de criar miséria com seus lucros astronômicos. E a humanidade onde é que está? A humanidade onde é que está? Então eu fiquei muito encantado vendo um videozinho de um minuto e meio com o Pepe Mujica. Eu tinha assistido o filme dele e já tinha me admirado pelo cara, e é um cara muito de se admirar, perto desses medíocres que foram presidentes em toda America Latina. Não, o Pepe ia trabalhar com o Fuquinha dele. Ninguém nunca falou isso né? Por que não interessa, não interessa. Imagina, um presidente de Fusca, indo trabalhar de Fusca e quando ele saiu do governo foi de Fusca e continua com seu Fusca.

Como é que se explica isso? Não da né? Então, esqueça-se. Mas é uma figura que eu gostaria que vocês vissem, mas eu não quero pra você se posicionar politicamente, eu quero pra você olhar pra sua vida. Olhar pra sua vida e não cair nesse conto do consumo, nesse conto de precisar tanto, tanta coisa. Tudo que eu queria do meu pai era poder ter brincado muito mais do que ele, do que ter tido tudo aquilo que ele construiu. Nunca me adiantou muito as heranças, não me adiantou grande coisa.

Agora, eu sinto muita falta de ter jogado futebol com ele na praia, de ter tomado banho de mar com ele na praia, de no dia-a-dia ter brincado mais com ele, sabe? Isso sim eu sinto muita falta, apesar de que teve alguns momentos em que ele brincou comigo e, esses são preciosos, que eu guardo lá no fundo do coração. Os momentos mais lindos, sabe? Mais lindos, quando meu pai era apaixonado por um clube de futebol da cidade, que ele ia todo enfezado e eu ia ali junto, sabe? Era uma alegria incrível, agora hoje, toda essa tecnologia, toda essa televisão muquirana.

Mas eu tenho uma novidade pra você, eu gostaria de ganhar na Mega Sena, muito dinheiro, sabe pra quê? Eu nunca vi o que eu vou promover, acabar com a miséria não vai. Eu ia fazer o maior campeonato amador do Rio Grande do Sul porque eu ia resgatar muita alegria de toda cidade. Isso é um sonho que eu tenho. Criar de um jeito que todas as cidades voltassem a ter seu time de futebol, em uma disputa onde a cidade participaria, e aí nós íamos parar de ficar colados nessa maldita televisão, pra ver os Luan, D’Alessandro, não sei o quem lá, os Neymar, gente nojenta, Messi, tudo nojento ganhando milhões e com papo de coração. Coração crivado de milhões, isso aí não é coração, isso aí é prostituição.

Eu gostaria de ver o time lá da minha cidade, o Guarani de Garibaldi, o Juventude. Ai que saudades de um GuaJu! Ai que coisa mais linda, e todo aqueles times, os times de Carlos Barbosa, na minha cidade também tinha o Lajeadense, os times do interior. Tinha um campeonato que eu me lembro que também tinha uma taça imensa e vinham todos os times de todas as colônias, era muito bonito toda aquela gente jogando, e era um futebol bonito de gente com vontade, de gente que trabalhava, de gente que é gente. Isso que tá faltando: gente que é gente.

Então esperem! Eu continuo jogando na Mega Sena para, um dia, fazer o maior campeonato amador do planeta! Entendeu? Ia recuperar a alegria de um monte de cidades e recuperar a alegria é fundamental para as pessoas serem mais felizes e viverem mais. Então me aguardem! Torçam pra eu ganhar na Mega Sena! Torçam! Que todo dinheiro eu vou botar nisso daí.

Anúncios

Pobre é Aquele que Precisa Muito – Parte I

blog1

Por Prem Milan

“Pobre é aquele que precisa muito”, essa é uma frase que eu vi em um vídeo bem curtinho do Pepe Mujica (https://www.youtube.com/watch?v=4K_uhepjii0), aquele que foi presidente do Uruguai. Aliás, eu vi um filme dele “Uma Noite de Doze Anos” que me impressionou. Me impressionou sua capacidade humana, de suportar, de manter firmeza nos seus princípios. Quando eu vi esse filme eu cheguei à conclusão de que às vezes me queixo por pouca coisa, sabe? Eu recomendo que você veja esse filme. Mas essa frase dele eu queria explorar, talvez você diga “Ah, comunista!”… Não me vem com esse papo para boi dormir! O cara é uma figura mundialmente reconhecida, pela sua capacidade, pela sua determinação e pela sua HUMANIDADE. Veja bem, HU-MA-NI-DA-DE. Aquilo que tá faltando muito, mas muito mesmo em nosso planeta. E eu concordo plenamente com essa frase dele.

Na minha vida também, eu fui criado em uma família italiana – meio italiana, meio alemã – onde, para o meu pai, o importante era ter as coisas, ter dinheiro, ter capital, é ter bens, ter carro, ter casas, é ter, ter, ter, ter, ter, ter. O verbo que se conjugava na minha casa era ter. E nunca foi viver, saber, prazer. Não, era ter, possuir, ser dono.

E durante minha vida, apesar de ser um cara de esquerda eu achava que se eu fosse rico estariam resolvidos todos os meus problemas. É muito absurdo porque eu conheço a vida dos ricos e é um tédio, um porre, todos frustrados, a grande maioria usa cocaína para não sentir o desespero do vazio das suas vidas. Mas mesmo assim, como isso é ensinado desde criança, a associar felicidade com estar bem com dinheiro, é muito difícil tirar essa teoria da cabeça da gente. É um programa instalado na cabeça muito forte. É uma coisa skinneriana, uma associação direta de felicidade com dinheiro. Mas os meus problemas na real eram emocionais “Eu ia ser amado pelas mulheres? Eu ia viver feliz?”. Então eu por muitos anos corri muito atrás disso, de várias formas: negociando, tentando ganhar dinheiro e jogava muito, jogava loteria esportiva, joguei muito, na ilusão, sonhando com aqueles milhões que eu ia ganhar. Depois veio a Mega Sena e eu sonhava durante muito tempo… Eu me lembro de prêmios de 150 milhões, e eu ficava sonhando de como eu gastaria esse dinheiro, como eu ia gastar. Só que um detalhe: toda a viagem eu fazia, completa, e toda vez que eu gastava todo esse dinheiro, todo ele, no final eu sentia um buraco vazio, uma frustração.

Fiz muitas vezes esse processo. E muitos anos da minha vida perdi na busca por isso. Eu perdi vida. O dinheiro custa vida. Custa muito a vida da gente. Lutamos tanto por dinheiro, mas dinheiro significa vida. Você não está gastando dinheiro, você está gastando vida. Para ganhar esse dinheiro você gasta vida. Então a gente consome um monte de bobagem, um monte de porcaria, na real a gente está trocando porcaria por tempo de vida! Criei cavalos de corrida, sempre esperava ter um grande campeão, que ia ser vendido para os EUA por um milhão de dólares, no tempo que um milhão de dólares era muito, muito, muito, muito dinheiro, né. Hoje se fala em dez, vinte bilhões, uma imundície muito grande.

Aí em determinado momento da minha vida eu parei e olhei, quando eu tava realmente feliz e realizado. Gente, eu fiquei muito chocado que era sempre quando eu tive menos, sempre. Sabe? Quando eu tinha meus 18, 19, 20 anos comendo no R.U., sem dinheiro, militando na esquerda, mas eram momentos muito, muito felizes da minha vida. Ali eu era feliz, era cheio de atividade, de ação, entendeu? Muito entusiasmo. Eu me lembro em 1974, sabe, a gente foi acampar em Garopaba. Garopaba não tinha nada, gente, nada. Não existia nada, nada além de pescador e um que outro grupinho de maconheiro que ia acampar. Nós íamos acampar ali na beira da praia naquela parte com gramados e eu me lembro que na época eu olhava… Eu sou filho de comerciante então sempre tem esse maldito olho de comércio, eu olhava uns terrenos grandes, na beira da praia com 100 x 50 metros que podiam ser comprados por meio salário mínimo, uma mixaria. Imagina o quanto valeria hoje! Ainda bem que eu não comprei, pois estaria hoje numa viagem super capitalista, deixando de lado meu coração. Se nós fossemos gananciosos naquela época, nós juntaríamos um dinheirinho e comprava aquilo pra ter.

Ainda bem que os meus projetos de grana não deram resultado. Esses projetos pessoais, onde eu ganhava muito dinheiro e acabava queimando. Porque se eu tivesse tido muita grana, talvez não tivesse vivido uma vida tão bonita quanto eu estou vivendo. Mas eu fui feliz pra caramba acampando ali, comendo salsicha, indo pra praia ajudar a puxar o barco pra fora e ganhava o peixe, uns peixes viola. Olha, aquele peixe viola que nós ganhávamos depois de ajudar os pescadores era o peixe mais gostoso da minha vida, feito num fogão de pedra, gente. Uma maravilha. E quando dava aquele calor, aquele calor sabe o que nós fazíamos? Não era ar condicionado, nós íamos naqueles matinhos, nós íamos naquelas rochas e descobríamos uma caverna na rocha e nós ficávamos horas ali esperando passar aquele calorão, olhando para aquele mar imenso, aquela brisa nos tocando… Gente, milhões de vezes melhor que ar condicionado! Milhões de vezes melhor que ar condicionado! E a gente caminhava e nossos corpos eram saudáveis, belos, vitais, sabe? E comendo aquelas comidinhas simples, nós passamos comendo mais ou menos dez, doze dias, só peixe. Direto do pescador com arrozinho, feijãozinho e era isso aí minha gente. Era assim um acampamento que eu não me esqueço jamais, jamais. Não tem preço aquilo, foi uma coisa inesquecível. Nove amigos, sabe, pelados, sem dinheiro, sabe? Fantástico. Fantástico. Criando e se recriando. Sabe?

Depois, mais adiante, foi o lugar onde eu gerei meu primeiro filho. Foi em Quatro Ilhas, início de 1982. Quatro Ilhas não tinha uma casa. A gente acampava na época da Páscoa, três casais em barracas. A gente ficava ali na beira do mar o tempo inteiro. Um matinho incrível, um cenário incrível, fazendo aquela nossa comidinha, uma coisa indescritível, uma coisa linda maravilhosa, sabe? Me lembro a gente andando pelado à noite, na lua, fazendo amor sob o luar. Nós não precisávamos de nada, camas assim, camas assado. Era na areia, areia, AREIA. Selvagem, vida, vida, vida, VIDA. Coisa que nos estão roubando, vida, VI-DA! Veja bem, vida.

A gente paga todo esse pseudo-luxo, esse pseudo conforto com vida, conforto custa vida, você tem que trabalhar pra caramba pra ter uma porra de um não sei o que, uma porra de um fogão assim, uma porra de um carro. Gente, pelo amor, eu sempre sonhava em ter aqueles carrões. Sabe, hoje em dia eu tenho um Mondeo 1996 que me saiu em torno de uns 14 mil. Sabe? Ele tem 60 mil km, nenhuma Mercedes. É maravilhoso, fantástico. Mas não tá no top, nenhum ladrão quer. Eu me lembro que tava passando ali em Viamão por uma ponte que eles sempre assaltam, tavam vindo todos os guris, quando viam os outros carros eles paravam e assaltavam, quando viam o Mondeo só faltava jogar cinco reais pra mim. Maravilha, é um carro confortável pra caramba. Entendeu? E eu vi que todo esse luxo é uma bobagem, é vida, a gente paga com vida. Veja, esse vídeo pequenininho do Mujica: https://www.youtube.com/watch?v=4K_uhepjii0

E eu to aqui na praia e eu to vivendo assim. Eu faço todos os dias comida para os meus netos e meus amigos, faço questão de fazer comida, sabe por quê? Porque tem sabor, tem gosto. Todos esses imensos restaurantes que tem aqui no Rosa são sem gosto, sem graça. Eu faço um camarão maravilhoso, não da nem pra comparar com essas cozinhas. É que lá é o status de tu pagar, o status. Tu se sente bem, importante, pagando a conta com teu cartão de crédito. Depois trabalha que nem um cachorro. Não, eu me sinto bem fazendo uma comida gostosa e gosto de perguntar pra eles “gostaram?” Eu faço um feijão maravilhoso, então todos os dias meus netos e meus amigos comem uma comida maravilhosa que eu gasto uma hora pra fazer e me divirto porque eu to dando sabor, qualidade, vida, essência, ESSÊNCIA, essência de vida. Sabe? E não esse gosto plástico, o visual das comidas é muito bonito, as fotos são incrivelmente bonitas, mas tudo ruim, cheio de veneno, sem sabor, né? O sabor que tem é o do tetraclorato de não sei o que que eles põe ali pra te enganar. E tu continua na vida saudando isso, que eu tenho um emprego, que botem tudo que é fábrica que polua pra caralho pra eu ter um emprego, pra comprar mais carro, mais coisas plásticas, mais coisas no supermercado, mais isso, mais aquilo. E tudo infeliz.

Meus netos estão felizes pra caralho, com pãozinho cacetinho de manhã, queijo que a gente faz lá na comunidade que é limpo e maravilhoso. E claro, a gente faz umas transgressões ali, compra uma mortadela, umas coisinhas assim e é isso, mas a gente tenta tirar o melhor. A gente não abre mão do sorvete né? Vem o meu netinho ali, “Gelomel hoje, vô, Gelomel!” Tudo bem, deixa eles comerem essas coisa, e é uma imundície sorvete né, é uma imundície, viciante e tudo, mas são as férias dele aqui, eles passam o ano todo no sítio e não tomam uma gota de refrigerante, eles nem gostam. Me lembro uma vez um neto meu, o Caetano, nós fomos comer uma pizza e o cara falou que tinha Pepsi e meu neto perguntou “que que é isso vô?”. Ele não sabia, tem 6 anos e não sabia o que era pepsi. Eu fiquei feliz que ele não sabe. Talvez você ache “Que ignorante, não sabe o que é Pepsi”. HAHAHA, que ignorante! Deve ser uma cultura incrível saber o que é Pepsi Cola, Coca Cola, Whatsapp, não sei o que lá, mídia, não sei o que. Tu acha que isso é ser muito inteligente. Qualquer energúmeno, idiota sabe isso aí. Tu não precisa nem ter coração, qualquer computador de quinta categoria sabe, daqueles mais furreco, antigo. Agora, ter inocência, ter amor, ter alegria, isso tu não é afim.

Eu to falando isso porque é pra gente olhar de uma vez pra vida, o que a gente quer da vida… você quer entrar nessa loucura? Nessa loucura consumista. Quem deve ficar feliz é o dono da Havan, aquela, sabe? Havan, aquela loja imensa que as pessoas adoram ir pra comprar o que não precisam. Mas o cara botou a Estátua da Liberdade, que não é a Estátua da Liberdade, aquela é a estátua da exploração, estátua da vigarice que tem lá nos Estados Unidos. Porque a liberdade já se foi há muito tempo. Daí esse malandro usa isso aí pra te vender o que tu não precisa, e tu vai lá e compra porque acha que “tá barato, tá barato, tá barato”. Barato nada, ta comendo tua vida pouco a pouco. Eu sei que você tá carente emocional, então você precisa ir lá comprar pra ficar te sentindo satisfeito com aquele carrinho cheio, comprando isso e aquilo. Mas depois quando tu chega em casa, tu já ta arrependido. O buraco continua.

Criando Filhos em Comunidade

crianças teatro

Por Prem Jwala

 

Uma das experiências mais maravilhosas e mais difíceis que se pode ter na vida é ter um filho, não só ter, mas “criar” um filho. Meu segundo filho está com 3 meses agora e nada ocupa mais espaço no meu dia a dia e no meu coração do que eles. Gostaria de contar minha experiência, pois estamos criando algo muito revolucionário aqui na Comunidade Osho Rachana, que é você criar filhos em Comunidade. Isso significa que tem 80 pessoas que também moram, convivem e se relacionam com eles. Você não imagina a riqueza que isso traz para eles!

Eu vejo as crianças por aí ficando cada vez mais infantilizadas, regredidas, viciadas em atrolhos e tecnologias, com medo de se relacionar e de se expressar. Aqui está acontecendo o oposto. Recentemente, o Pramit chegou de viagem, quando meu filho mais velho o viu,  saiu correndo pra abraçar. O Pramit é pai do Caetano, primo do Lorenzo, mas ele sente tanta saudades e tanto amor por ele e também por vários outros homens e mulheres da comunidade que ele ama profundamente, não apenas o pai e a mãe. É obvio que o canal mais profundo é com o pai e a mãe, mas ele tem muitos amores a mais do que isso, muitas outras referências, muitas outras relações, brincadeiras, brigas, ensinamentos, tudo.

Isso jamais seria possível sem ter esse monte de gente da comunidade ajudado e pegando junto, desde muito pequeno. Nos momentos em que estava com ele e queria fazer outra coisa, meditar, jogar bola, transar, enfim, coisas normais do dia a dia, sempre tinha alguém para cuidar dele, várias pessoas e elas sempre cuidavam muito bem dele, quase nunca dava problema. Então, desde bebezinho as pessoas se acostumaram com ele e o amam, dificilmente ele cruza por alguém na comunidade sem que alguém cumprimente ou pare para brincar com ele. Então, quando eu fico com eles, eu realmente estou ali, curtindo estar com eles, me divertindo, me preenchendo e não querendo fazer outras coisas ou emocionalmente ausente.

Isso dá uma qualidade muito maior e muito mais preenchimento pra eles. É muito difícil você curtir ficar com crianças se está cansado, sem saco, frustrado sexualmente ou sem vontade. Minha vida mudou muito pouco depois que eles nasceram, eu continuo fazendo as mesmas coisas que gosto e amo, continuo me divertindo com os amigos, continuo vivendo minha sexualidade com a mãe deles e continuo criando e expandindo no meu trabalho.

Eu fui criado para ser  o “filho da minha mãe”, mas eu nunca fiz isso com eles, eu quero que eles sejam da comunidade, não meus! Não faço deles minha razão de viver e nem minha única fonte de preenchimento, isso da uma liberdade imensa pra eles. Pois eles não precisam cumprir minhas expectativas, nem preencher meus buracos emocionais, e a mãe deles a mesma coisa.

Isso só é possível por viver nessa comunidade, às vezes fico imaginando se a gente morasse num  apartamento na cidade e só vejo tragédia, nossa relação não duraria nem 3 meses. Imagina: sozinhos, com a ajuda só dos nossos pais e famílias (o que muitas vezes só piora). E o resultado da nossa escolha é que essas crianças estão crescendo com um relaxamento em relação aos sentimentos, ao sexo, a amizade que é difícil imaginar. Outro dia o Lorenzo chamou a mim e a mãe dele pra conversar e disse “É que cada vez que eu cresço, eu sinto uma angústia. Eu to com medo de crescer, porque vou ficar sozinho, porque vocês tão ficando mais tempo com o Valentim (o bebê) do que comigo”. Eu não acreditava estar ouvindo aquilo, a clareza e honestidade dele, aquilo mexeu muito comigo, pois me senti daquela forma muitas vezes quando criança por ser o mais velho também, mas nem passava pela minha cabeça a possibilidade de falar aquilo pros meus pais.

Quanto à sexualidade, todos eles sabem o que é sexo e sabem que os adultos fazem sexo e que é uma coisa natural e prazerosa, e  nenhuma tragédia aconteceu com eles por isso. Imagina o relaxamento que eles vão ter na adolescência e idade adulta, nem se compara com o que vivemos. Essas crianças estão experimentando a liberdade de poder ser elas mesmas sem toda aquela repressão e moralismo que nós recebemos, e mesmo que hoje a faixada pareça ser mais legal, a desconexão emocional é bem maior.

Na Comunidade nós dividimos entre os pais o tempo de cuidar das crianças. Esse fim de semana era meu dia de ficar com eles, mas eu estava com meu joelho estourado. Como estava impossibilitado, em 10 min fiz uma escala com 7 pessoas para que cada um cuidasse das crianças por uma hora, e assim foi o dia. A mãe deles só vinha pra dar de mamar e o resto a galera cuidava, então ela pôde fazer as coisas dela e descansar ao invés de cobrir o meu tempo. Isso tem um valor inestimável.

É obvio que também tem dificuldades e problemas, mas sempre tem pessoas pra ajudar e dar feedback, dizendo ”oh, vocês estão mimando demais ele, não estão dando limite”, ou “tu não brinca com teu filho, fica só na função da tua namorada”, “teu filho tá muito carente”, etc. É algo muito novo e revolucionário, quebrar estes conceitos de família, de que os filhos são propriedades dos pais e só eles que são responsáveis pelas crianças. Quando vejo a beleza e a espontaneidade dessas crianças, cada vez tenho mais certeza de que estamos no caminho certo.

Quem tem medo do amor livre?

Amor livre

Por Gyan Pavita

 

Pra começar, sempre desconfiei dessa expressão. “Amor livre”… parece pleonasmo. Se não for livre, vai ser o quê? Amor preso? Amor limitado, amor escravo…? Decerto vai… e decerto é por isso que as pessoas tem tanto medo do tal “amor livre”, acostumadas que estão a serem limitadas, presas, escravas…
Amor e liberdade são palavras grandes, que assustam… os dois vem sem manual de instrução, sem rede de segurança. Pra amar e pra ser livre é preciso confiança, justamente algo que foi muito machucado na vida de todo mundo que foi criança um dia. A gente cresce com a noção (duramente aprendida) de que amar é perigoso, e que liberdade é um estado a ser alcançado quando eu tiver dinheiro suficiente, segurança suficiente, status suficiente…
Amor livre é um caminho de crescimento. A gente se apaixona, se envolve e começa um relacionamento. O início é vivo, cheio de tesão, de sentimento, frio na barriga… a gente fica mais bonito, mais amoroso, cheio de energia. E aí surge a grande idéia de garantir que isso não acabe nunca! Até contrato assinado a gente faz pra registrar essa garantia! Mas não é assim que funciona, amigos! A gente sentiu esse amor num momento em que se sentia livre, disponível, aberto pra isso. Essa é a dica! Vale muito mais investir nessa liberdade, disponibilidade e abertura, pois assim é que as coisas acontecem! Assim é que o amor acontece. A partir do momento em que você decide trancar num cofre teu tesão, teu amor, teu carinho, pra só tirar na hora certa, com a pessoa certa… estamos decretando a falência do amor.

O Fantasma da Traição
Responde rápido: do que você tem mais medo – de sentir atração por outra pessoa ou de que seu parceiro, sua parceira sinta atração por outra pessoa? Já parou pra pensar? O mais normal é que a pessoa tenha medo de que o outro fique a fim de alguém. E aí? O que pode acontecer de tão terrível?
Cenário 1 = ele ou ela se apaixonam pela outra pessoa e você baila. Você acha mesmo que se ele ou ela reprimirem o que sentem por essa outra pessoa vocês vão ficar melhor? Preferiria que ele/ela ficasse com você, mesmo sendo a fim de outro/a? (se a resposta for sim, não precisa continuar lendo esse texto)
Cenário 2 = ele ou ela sentem atração por outra pessoa, “conferem a situação” (se permitem ficar com essa pessoa e ver o que rola) e vêem que não era nada importante, e voltam pra você ainda mais confiante no amor de vocês. Legal, né?
Cenário 3 = ele/ela sentem atração, conferem a situação e vêem que não era nada demais, mas que na verdade sentiram atração por outra pessoa porque não está mais rolando entre vocês. Assim uma situação que pode ter estado estagnada entre vocês se resolve e fica tudo mais claro. Melhor do que ficar na estagnação, né?
Cenário 4 = ele/ela sentem atração por várias pessoas, o tempo todo e “tem que conferir” o tempo todo, ou seja, transar com todo mundo… bem, talvez esta pessoa não esteja a fim de estar num relacionamento… E aí, você vai querer estar num relacionamento com esta pessoa? Agora inverte estes cenários e considera que você é a pessoa que sentiu atração por outro/a. Como se dão estas equações?

Ciúme nunca foi medida de amor, só em música de dor de cotovelo… Ciúme é um sintoma da falta de amor que nós vivemos ao crescermos, da falta de confiança no amor, da falta de confiança em nós mesmos. E querer limitar o parceiro para sentirmos menos ciúmes só garante uma coisa: que o ciúme vai continuar intacto e a falta de confiança também. A gente pode brincar de pertencer um ao outro, como falam tantas músicas de “amor”, mas à medida que a gente amadurece, chega hora que a brincadeira vence a validade e a gente tem que partir pra vôos mais altos. Mas, veja bem, envelhecer é certo pra todo mundo, já amadurecer é escolha pessoal…
E a piada escondida nisso tudo, todo esse pandemônio de pavor do amor livre e de ser deixado, rejeitado, abandonado, é que, à medida que você permanece honesto e autêntico com o que sente, sem se esquivar dos desafios que o amor vai inevitavelmente trazer, toda essa necessidade de experiência vai relaxando e caindo literalmente “de madura”. O amor sobrevive a desafios, e cresce com eles, assim como tudo que é vivo. As próprias plantas para crescerem fortes, precisam de ventos, chuvas, sol, não só de tempo bom…

“Felizes para Sempre”
Era uma frase bonitinha quando a gente tinha 5 anos e ouvia as histórias na hora de dormir. Mas eu desconfio da felicidade contínua da Cinderela e seu príncipe, da Branca de Neve e seu príncipe, Rapunzel, Bela adormecida, etc, etc…
A gente precisa entender o sentido de “endless love” (amor sem fim). O amor da gente não acaba, mesmo, mas vai mudando de direção. Não dá pra forçar. Não tem que durar pra sempre com aquela pessoa. Importa é o amor que você viveu, não o tempo que ele durou. Cada encontro é uma possibilidade de amor. Amores de uma noite, semanas, anos, qual não vale a pena? E “se não há amor, não te demores”.
Tá mais que na hora da gente sair desse clichê que “amor livre” significa transar com outras pessoas. Tá na hora de respeitar o amor mais do que os nossos medos, de reconhecer que o amor vem pra esculhambar nossos limites e nos fazer expandir, a ponto de nos querermos livres, e a quem amamos também. E aí esse amor pode expandir pra fora do relacionamento, pra amizades, causas, nossa comunidade, nosso planeta. Estamos perdendo muito do que o amor tem pra nos mostrar enquanto insistimos na birra do “é só meu!”

 

Post originalmente publicado em:
https://namaste.com.br/txt/

Zorba – O Grego

quinn-zorba_opt1-thumb-922x650-138546

Por Prem Milan

Zorba tem uma história muito rica. Você deveria ver esse filme. Vi a primeira vez lá por 1978 e fui ver agora novamente, 40 anos depois. Que filme maravilhoso. Quando uma pessoa tem conteúdo, ela está além do tempo! Sua alegria, sua celebração, sua atitude perante a vida…

Um filme incrível com o Anthony Quinn. Você devia ver para acordar. É muito incrível porque vendo o filme você nota o quanto a gente vive na cabeça, o quanto a gente vive no medo. Nós não vivemos. Não há vida do lado de cá do equador! Medo do futuro, medo de perder o emprego, medo de ficar sozinho! E ao mesmo tempo ficando sozinho. Como diria o Lenine o “medo que dá medo do medo que dá”. O medo é uma armadilha que aprisionou o amor. Uma armadilha que te aprisionou. Você está preso ali. Você tem medo de tudo.

Provavelmente você também tem medo de alguma coisa de mais conteúdo. A internet funciona, sabe por quê? Sabe por que o Whatsapp tem esse grande sucesso? Porque é raso, muito raso… Não fura essa película de medo que tu tens? E você vive nisso e vai achando que tá vivendo, achando que é o cara. Daí você segue emocionalmente desesperado, procurando por grupos, atividades, cursos.. para fazer parte de alguma coisa e acaba tudo sendo uma grande bobagem! Todas coisas superficiais, nada de profundidade.

Por isso eu gosto do Zorba. Ele não é simplesmente um “porra-louca”, ele tem uma profundidade. Ele tem uma atitude perante a vida e lida com as situações de frente! As mais difíceis que sejam!

E a vida é muito mais do que essa superficialidade. Nós não nascemos assim. É todo um sistema educacional, familiar, social que rouba de nós nosso conteúdo. Nós fomos usurpados em nosso conteúdo!

Insisto: gostaria que você visse “Zorba – O Grego”. É uma lição de espontaneidade, de aventura, de vida! Uma lição de alegria e beleza. Porque eu acho que está muito infeliz e difícil a vida  para a imensa maioria das pessoas.

Talvez você tenha uma certa dificuldade de vê-lo porque é um filme todo em preto e branco. Ele não é cheio de altas definições, efeitos especiais como tantos outros. Aliás, efeitos ENGANADORES, porque é isso, efeitos especiais é como enganar otários , como iludir pessoas… Efeitos especiais, nada mais são do que ilusão. Criar ilusão, ilusão e mais ilusão. Você quer cores e mais cores. Cores que não existem porque tua vida está cinza. Experimenta ver Zorba! O filme é preto e branco, mas a vida dele é colorida!

Você pode achar que pra não é você… Que está tudo bem. Mas está mesmo? Porque sem conteúdo pessoa nenhuma vai ser feliz. Manter-se bobo-alegre não é tão fácil assim. O tempo inteiro tendo que “se pilhar” com idiotices daqui, idiotices dali… Se iludir com isso, se iludir com aquilo… Chega uma hora que se enche o saco de tanta ilusão. Mas quando tu encher o saco da ilusão parece que não vai ter mais tempo pra ti. Ou você se dá conta, ou “el tiempo es veloz”, como diria Mercedes Sosa. E é muito veloz!

O problema é que você nem sabe o que está perdendo, e isso é triste. Se você pudesse ter o mínimo vislumbre do que você está perdendo, você faria a força de um leão para te resgatar como pessoa. Você usaria a fúria de um vulcão. Para transformar isso tudo, mas é muito difícil ter esse vislumbre. Talvez num momento de um profundo amor você consiga ter esse vislumbre, mas depois você acaba jogando tudo pro alto, porque é um vício. É um vício muito grande. Eu sei que você não quer ser incomodado. Assim como morto em cemitério não quer se incomodado.

Como Zorba mostra no filme: chega um momento que um dos personagens quer um comodismo e ele diz que comodidade só tem para os mortos, que a vida é encrenca. Eu quero encrenca! Veja o filme e você vai entender o que é encrenca. É estar nas situações, correr os riscos, é se jogar nas coisas. Eu quero muita encrenca mesmo. E isso faz uma diferença.

Eu gostaria muito que as pessoas se dessem conta. Não sou candidato a nada, não preciso absolutamente nada de ti. A única coisa que eu preciso é da tua humanidade pra tudo nesse planeta ficar mais bonito, não preciso de um consumidor. Permite tocar o teu coração com a inocência e a alegria desse filme. É uma dica muito profunda, no meio desse monte lixo, de filme lixo, tentando fazer a cabeça, um filme pra te tirar da cabeça. Quando você experimentar o que é sair da cabeça, vai ver que é muito bom.

O teu conteúdo foi usurpado, retome-o de volta!

 

Que Bosta de Copa!

Neymar-fall-world-cup

Por Prem Milan

 

Pior que o linguajar é o aquilo que os caras estão jogando. Que decepção! Até o futebol foi transformado em um jogo de máquinas. Nós, querendo achar algum time com coração pra torcer, mas está difícil. É tudo uma grande piada! Tem um jogador da Alemanha que o cabelo não desmancha! Não consigo entender! Acho que ele devia vender aquele gel pra quem é brocha, porque endurece o cabelo de tal jeito que não mexe nenhum fiozinho! E o tempo todo os caras ajeitando os cabelos nos mínimos detalhes…

Cada movimento é planejado e pensando num possível contrato milionário…

Meus times todos caíram fora. Senegal, me deu um alento, mas depois os caras começaram a fazer firulas, mostrar que é o cara, também pra conseguir um contrato na Europa, aí eles se perderam… Coisa que até entendo, por conta da miséria que eles vivem.

O que eu mais me impressionei foi o time dos iranianos, mas aí não é coração, é fanatismo. Aquela doença religiosa, querendo provar que os muçulmanos são superiores. Dá pra ver que eles não jogam um ovo. Não tem nenhuma beleza no seu jogo. São iguais aos japoneses, kamikazes que se atiram e se arrebentam na bola.

Não tem beleza, não tem poesia.

Um milhão de idiotas… Veja, um milhão de idiotas comentando. Só falta eles falarem se o pau do jogador está pro lado esquerdo ou direito. Os comentaristas da Gaúcha, é de chorar. Todos eles vaselina tudo. Querem fazer agente acreditar naquilo que eles interpretam. E eles insistem tanto que é pra que a gente deixe de lado aquilo que a gente viu e achou para assumir a opinião deles. E tudo o que se fala é “ganhar a copa, ganhar a copa” De que jeito? Não interessa. Beleza? Não interessa… Eficiência, eficiência, eficiência. Nada mais interessa.

A Revolta dos Gaúchos

Ai que saudade de quando os gaúchos tinham aquilo roxo! Vocês lembram? Em 1973, Beira-Rio com 94 mil gremistas e colorados juntos, berrando contra a seleção. Seleção gaúcha 3 X Seleção brasileira 3. O bicho pegou de tudo o que era jeito. Foi a revolta contra uma injustiça. Foi uma revolta contra a toda a imprensa tendenciosa, contra o poder de todo o país. Agora, a imprensa gaúcha virou sucursal da Globo. Com o mesmo tipo de pensamento. E também um só interesse: ganhar dinheiro. Só ganhar dinheiro. Por isso eles tem que ser formatados, robôzinhos, para ligar suas imagens de bem comportando com a empresa.

Qual a graça de tudo isso? Eu me lembro que em 66 eu ouvi no radinho de pilha e conseguia imaginar os dribles, as jogadas. Pra minha a decepção, o Brasil foi mal pra caramba. Mas eu ouvi os jogos pelo radinho. Eu conseguia imaginar as jogadas do Eusébio, o Pantera Negra. Em 70, foi aquele absurdo de futebol. Se ganhou, sim, mas com categoria. É outra coisa! São outras pessoas. Em 74, com curió e tantos outros. E os alemães ganharam aquela copa, baixando o pau! Como fizeram também em 54 com Puskas. Aquele time da Hungria era muito bom e tinha enfiado 8 na fase anterior na própria Alemanha. E os alemães, claro, vieram com sua truculência e detonaram os húngaros, o que lhes rendeu o título. Fizeram a mesma coisa 74, baixaram o sarrafo no Cruijff, intimidaram Neeskens com sua violência, e a imprensa saudou a eficiência alemã…

Mas ninguém lembra no bosta do Schultz que chutou até a mãe do Cruijff. Mas todos lembramos do Cruijff.

Agora essa copa chegou ao ápice da hipocrisia! O que é o Neymar fingindo um choro (jogo da Costa Rica)? O que são aqueles caras bem comportados: Felipe Coutinho, Gabriel Jesus, “Arcanjo Miguel”, “São Gabriel”… Todos fazendo propaganda, todos enchendo seu bolso de dinheiro. O próprio treinador está há 5 meses fazendo propaganda, enchendo o bolso de dinheiro. Essa gente só quer dinheiro. Claro que eles querem ser campeões… Mas sabe pra que? para ganhar mais dinheiro! E mais dinheiro. Fazendo postura, poses… Só falando frases feitas, corretas. Ninguém é espontâneo. Qual é a graça disso?

Prefiro Maradona… Ahh , prefiro Maradona com suas contradições com seus porres. Seus dedos mandando enfiar. Claro Maradona não é tão comportando, não é um, bom garoto propaganda, né? Mas pelo menos ele tem posição. Não aquele ele seja exemplo, mas acho “os Neymar” mais nocivos, porque ensinam a hipocrisia, a falsidade. É só olhar pro Neymar e ver que ele é falso. Tá na cara que ele é falso. Bom jogador de futebol, claro que ele é! E todo mundo tem que puxar o saco dele, porque se não depois se dá mal. Esse sistema é tão louco que até o Galvão Bueno tem que puxar o saco do Neymar, porque se não ele vai se queimar.

Quem ganha com a copa? A maioria vai tomar um porre e os botecos ganham uns tostões. Mas quem ganha mesmo é a Globo, e todos os caretas. Eu torço pra qualquer um, menos hipócrita. E agora, torcer pra quem? Talvez os “chiquitos” uruguaios que ainda tem “cojones”? Para os russos eu não torço! A Russia, virou um país de assassinos. Ao desmanchar a URSS, Rússia roubou todos os outros países e está ali cometendo atrocidades. Haja estômago para os racistas como os que tem na Rússia.

Sei lá, eu fiquei meio a pé na copa, infelizmente. Não dá muita vontade de torcer. Torci muito pelos colombianos, mas são muito otários e entregaram a rapadura no fim. Pro Brasil, eu não torço! é o último. Porque se ganharem, vamos ter que aturar 6 meses esses fedorentos fazendo propaganda até de micuim: compre um micuim que habita o saco do Gabriel Jesus e que foi dado a ele pelo Neymar e os micuim que agora está sendo procriados no púbis do Felipe Coutinho”.. Tudo sob a supervisão do TITE. Que continua vendendo televisão. Sai pra lá!

Ahh gente… Ainda bem que eu tenho meu futebol do Cantagalo, ali tem exibição de craques. Vem ali no domingo que tu vais ver Garrincha, Pelé, Didi, Nilton Santos, Gilmar, Rivelino, Jairzinho, Gerson, Cajú, Carlos Alberto, Zico, Sócrates, Eder, Falcão, Romário, Junior, Tostão… E vamos convidar os nosso hermanitos também como Maradona, Caniggia, Pedro Rocha, Perico León, Cubillas, só pra ficar na América do Sul. Aquele pessoal que ainda amava o futebol. Não eram os que faziam tudo por dinheiro. No Monumental Cantagalo nós vamos manter o nosso futebol arte, alegria, e a entrega aos nossos sentimentos e nossos corpos!

O resultado? Só interessa durante o jogo. Terminou o jogo… Não interessa mais nada. Só a alegria que ficou!

 

Priests, politicians and moralists destroyers of joy and sexuality

bhagwan-shree-rajneesh-pray1

 

By Prem Milan 

This is a claim for our clients’ forgiveness. For being so irresponsible to believe in these two young directors, educated by one of America’s most square and old minded churches and schools; for having believed in Jon Bowerman and other Antelope residents. We did not know that this apparently sweet old man was the husband of a woman who committed pedophilia. We were shocked to find out that she was sentenced to 6 years of limitation of freedom, and we were even more shocked when we learned that Jon was more than 30 years older than her, which leaves us some questions… And we, from Netflix, in respect to our every day money from you, will also show the point of view from the Osho people. We were led to error and, we confess, it was out of prejudice and ignorance. In short, we will show a more realistic and balanced version, including square minds, prosecutors, but also various types of sannyasins. Especially those who hold the spirit of Osho. We relied too much on Sheela’s view and the ones close to her, and we edited the lawyer’s version of Osho.

Bam, boom, bang! Fuck! Wow, what a crazy dream I had! This only happens in a dream, what a pity… What a pity… Ahh, well it could be real, that someone would realize it.

Hi Netflix, scroungers of our money, when you will start the campaign: “let’s expel all pedophile religions from the USA”? Ah?

First, Antelope: Oregon was one of the most racist states in the US! It was where the Ku Klux Klan was strongest. In addition, they elected a governor member of the Ku Klux Klan (Walter M. Pierce – 1922) and in the 80’s they supported the skinhead movement to establish a white state. So, while Osho lived in Oregon, racism was boiling, even showing cases of collective beating of Senegalese immigrants in Portland in 1988. Antelope is in Oregon! Those old people who appear in the movie are RACISTS! They sanctioned a law which stated that every six months black people could be flogged with 29 to 35 lashes. That was law in Oregon! They sent the African-American out of the town, men had to leave within two years and women within three.

So, sorry, citizens of the world. Do you believe in this kind of people? I’m talking about rapists and killers of black people. I haven’t even mentioned the Native Americans and how they were wiped out from Oregon. So, Netflix and the two butthead directors, tell us the truth about who those people are. Do you believe them? Do you think I believe in Reagan? In Bush? In Trump? I haven’t found my brain in the trash… For starters, I don’t believe in Americans.

Well, now that we know what Antelope is, we can deduce who the real criminals are … Are they the young followers of Osho? What do you think? Or the members of the Ku Klux Klan? Or young people who like sex and dressing in red? Hard to understand? These two directors are either very stupid or very ill-intentioned … Pick up a side.

Who financed all that distortion? Who paid for that all? Maybe Nike? The father of one of those guys, Jon Bowerman, that old man who spoke so softly and naively but who hid that his wife was convicted for pedophilia? You can find it here: (http://www.oregonlive.com/pacific-northwest-news/index.ssf/2016/02/melissa_bowerman_pleads_guilty.html). Or Sheela, with the millions of dollars she stole from the community? Ahh, you did not know? Well … you don’t know a lot about Osho’s stuff and you get the version from the prejudiced Americans who still claim that the natives were bad guys. 

Another part of the funding must have come from priests, politicians, cabaret owners, prostitutes in general, drug addicts, drug dealers. As Osho was the only one defending human nature, human sexuality and would go against all this class, against the business of these guys! Imagine: a person who is sexually satisfied and happy in their life, doesn’t want drugs, doesn’t want coca cola, doesn’t seek for a priest, doesn’t worry about status, home, consuming … They want to see the moon, they want love! 

No, no… Rajneesh is not good for business. This guy keeps badmouthing Reagan and your politicians, who are always so decent and full of compassion towards the oppressed people… defending morals, family and property. “We’re with God! Oh Lord, deliver us from the temptations of the Rajneeshes, with their beautiful and seductive women and men who will lead us into sin! “

I can only comment like that… and those who believe in this distortion from Netflix are alike. But we don’t want to make you believe that. We aren’t politicians, soul merchants (religious). We are human beings who want to grow and explore our sexuality, love, power, joy… We are not here to wait for our retirement nor to explore others.

Osho was the only one who had the guts to say that the US was ruled by a guy who had an IQ below a monkey! Ronald Reagan! And Osho never stopped! He talked a lot about Reagan. He talked a lot about politicians and priests. The only one who had the courage to speak against priests and religious people, calling them crooks. 

In addition, Osho had a lot of money, yes he did! Simply because there were many rich Sannyasins who followed him. So they made very large donations to Osho. Something he didn’t give so much importance and also never hid from anyone…

And they wanted to create a utopian city and did it! The Netflix series is so unscrupulous, so untrue that all the images they show from the commune are ugly. They only show sheds, ugly pictures… If you are a decent person and want to know the truth, watch this movie https://www.facebook.com/namaste.rio/videos/1647033952012318/UzpfSTg2OTY1MzI5OTc1MDM5MToxNjQ3MTcxNjIxOTk4NTUx/, which is about the Osho community. In it you will see the real community with beautiful people, with people embracing, celebrating… in the series everything they show is gray.


And, don’t forget the whole issue was that Osho was the guy who had the courage to deal with sexuality. He was brave enough to encourage sexuality as something good and healthy. THAT WAS THE GREAT PROBLEM! And now thirty-something years later comes Netflix with a video to blow it up.

There are so many other details to mention about the series… The jealousy from the Americans, from the average American citizen of an Indian would have so much money. The same people have never had a problem with Trump and his billions of scams, because if Trump is not a jerk, no one else is. If Bush is not a bastard, no one else is. If Reagan is not a jerk, no one else is. And you cannot stick your neck out for other Democrats, as they’ve always been taking advantage of everyone.

 The American people are hypocritical because they pretend they are liberal, democratic, but when their economy start to become difficult, they elect those bastards to detonate everyone. And they are constantly sucking everybody. They suck the planet, they’re the biggest vampires. United States of America are like weed, they suck and are useless.

 I wonder if these American citizens are going to expel all the religions that have committed pedophilia. I’m not talking about sex, I’m talking about sex crimes. Pedophilia is a sex crime. Or will we accept that it is like this: people confess and pay? Then you pay and have the right to abuse of a 7 or 8 year-old child? You pay 2 million and the family accepts that…. Good, right? 2 million dollars! I wonder what Jesus Christ thinks up there… Does he approve of $ 2 million worth of sexual abuse?

Please, American people! Please, Netflix! Urgently, make a 400-episode documentary on sexual child abuse in the United States. Do it! Please, Antelope and all American society, let’s kick out all religions that commit sexual abuse. Right? After you do that, then we can discuss Osho, okay? Then we’ll discuss it, see it! First, you’re going to clean that latrine you are!

 And the Europeans too! Expel all Europeans who come to Brazil for sex tourism in Ceará. With direct flights Europe-Ceará to abuse girls who are 10, 11, 12, 13, 14, 15 years old, paying very cheap prices! Or are we going to pretend we don’t know that? That airplanes land in Ceará and Recife for sex tourism? We don’t know, right? We cannot prove it!

 They haven’t proved anything about Osho, but they make a 6-hour film against him. It’s dirty, really truly dirty. And why all that? Because we defend sexuality.

And also, these swindlers used Sheela, who was mad, as the main witness. She wanted to drive everyone away from Osho because she was jealous, because she was totally crazy about power. Then she started saying that Osho was being drugged. And Netflix puts it in a way as if he was really stoned. They even use an image where Osho stumbled, so it looks as if he was high or something. A complete cheat! Everyone who went to Poona knows that there is no drug there! It is forbidden inside the Ashram. Osho never stimulated any kind of drug use, on the contrary, was always totally against it.

 It is possible, indeed, that you find a drugged Sannyasin. So, if there’s a junkie at school, are we going to blame the school? It seems Osho is treated like that! Osho has never been involved with drugs and those manipulators have tried everything to associate him with it. It is very indecent! In the Osho centers worldwide they have always fought against drugs. In their books, in their speeches. That is clear.

 So I would like all the decent people who keep their natural sexuality to protest violently against this crime. You don’t have to agree with Osho, but you don’t have to agree with lies.

 Because those lies aren’t just to attack Osho. They attack all free humans. They are against freedom, they are in favor of prejudice, they are in favor of the destruction of the nature of mankind. For the destruction of human pleasure, so that the multinationals can fill us with antidepressants, medicines to be able to have sex, to fight the limp-dickness they created themselves. With their poisons, internet, whatsapp, with all their life distortion. Then it’s time for all of us, human beings, to say  ENOUGH to this shameless!

 Start boycotting Netflix, because that  one isn’t the only biased documentary, there are others which are on the way … very biased. Very stupid. Netflix is a great poison, a cancer, which is inside your house. And this crap makes us addicts! There are a few good things in the channel but behind it is rot, they want to get into our minds.

TOTAL BOYCOTT TO NETFLIX!

Padres, políticos e moralistas destruidores da alegria e da sexualidade

bhagwan-shree-rajneesh-pray1

 

Por Prem Milan

Esse é um pedido de perdão aos nossos clientes. Por termos sido tão irresponsável em acreditar nesses dois diretores jovens, educados, numa das igrejas e colégios religiosos mais caretas dos EUA; por termos acreditados em Jon Bowerman e em outros moradores de Antelope. Não sabíamos que aquele velhinho tão doce era esposo de uma mulher que cometia pedofilia. Ficamos chocados ao constatar que ela foi condenada a 6 anos de retração de liberdade, e mais chocados ainda quando descobrimos que o Jon tinha mais de 30 anos que ela, o que nos deixa algumas interrogações. E nós, da Netflix, em respeito ao dinheiro nosso de cada dia que ganhamos de vocês, também mostraremos a visão do pessoal do Osho. Fomos induzidos ao erro e, confessamos, que foi por preconceito e ignorância. Tão breve, mostraremos uma coisa mais realista e equilibrada, com versões dos caretas, dos procuradores, mas também dos vários tipos de sannyasins. Principalmente aqueles que mantém o espírito do Osho. Nos baseamos demais na visão da Sheela e dos seus, e editamos a versão do advogado do Osho.

Bruma blam, blau BUM! Caralho! Bah, mas que sonho doido que eu tive. Isso só acontece em sonho, que pena… Que pena… Ahh, bem que podia ser real, que alguém se desse conta.

Oi Netflix, surrupiadores do nosso dinheiro, quando você vão começar a campanha: “vamos expulsar todas as religiões pedófilas do EUA”? Einh?

Primeiro, Antelope: o Oregon era um dos estados mais racistas dos EUA! Era onde a Ku Klux Klan era mais forte. Além disso, teve governante eleito membro da Ku Klux Klan (Walter M. Pierce – 1922) e nos anos 80 estavam apoiando movimento skinhead para estabelecer um estado branco. Então, enquanto o Osho vivia no Oregon, o racismo estava fervendo, chegando a ter casos de espancamento coletivo de imigrantes senegaleses em Portland em 1988. Antelope é no Oregon! Aqueles velhinhos que aparecem no filme são RACISTAS! Eles criaram uma lei que a cada seis meses os negros podiam ser açoitados com 29 a 35 chibatadas. Isso era lei no Oregon! Expulsaram os negros, sendo que os homens tinham 2 anos para sair de lá e as mulheres 3 anos.

Então, me desculpem cidadãos do mundo. Vocês acreditam nesse tipo de pessoa? Eu to falando de violadores e assassinos de negros. Nem estou falando dos índios e de como eles exterminaram com eles no Oregon. Então, Netflix e os dois diretores bunda-mole, falem a verdade sobre quem são essas pessoas. Vocês acreditam nelas? Vocês acham que eu acredito no Reagan? No Bush? No Trump? Eu não achei meu cérebro no lixo. Pra começar, eu não acredito em nenhum americano.

Bom, agora que sabemos quem é Antelope, podemos deduzir quem são os verdadeiros criminosos… São os jovens seguidores do Osho? O que tu achas? Ou os membros da Ku Klux Klan? Ou os jovens que gostam de sexo vestidos de vermelho? Difícil entender? Esses dois diretores ou são muito burros ou muito mal intencionados… Escolha você.

Quem financiou toda essa distorção? Quem pagou por tudo isso? Talvez a Nike? O pai de um daqueles caras, o Jon Bowerman, aquele velhinho que falava tanto manso e ingênuo, mas que escondeu que a mulher dele foi condenada por pedofilia. Você pode encontrar aqui: (http://www.oregonlive.com/pacific-northwest-news/index.ssf/2016/02/melissa_bowerman_pleads_guilty.html)  não é do Osho. Ou a Sheela com os milhões de dólares que roubou da comunidade. Ahh, vocês não sabiam? É… Vocês não sabem um monte de coisa do Osho e ficam com a versão dos preconceituosos americanos que até hoje defendem que os índios eram bandidos.

Outra parte do financiamento deve ter sido dos padres, dos políticos, dos donos de cabaré, prostituição em geral, drogados, traficantes. Por que o Osho era o único cara de defendia a naturalidade humana, a sexualidade humana e vai contra toda essa turma, contra o negocio desses caras! Imagina: uma pessoa satisfeita sexualmente e feliz na sua vida, não quer droga, não quer coca cola, não que ver um padre por perto, não está preocupada com status, casa, consumo… Ele quer ver a lua, as estrelas passear na natureza, quer amar!

Não, não.. Rajneesh não é nada bom para os negócios. Esse cara fica falando mal do Reagan, dos nosso políticos, sempre tão decentes e cheios de compaixão, com os povos oprimidos… Defendendo a moral, a família, a propriedade. “Estamos com deus! Ó senhor, livrai-nos das tentações dos rajneshes, suas mulheres e homens lindos e sedutores que querem nos levar ao pecado”!

Só dá para comentar assim… e quem acredita nessa distorção da Netflix, tem a mesma cabeça. Mas não estamos interessados que você acredite. Não somos políticos, comerciantes mercadores de alma (religiosa). Somos seres humanos que querem crescer e explorar nossa sexualidade, amor, poder, alegria… Não estamos aqui para esperar nossa aposentadoria e nem explorar os outros

O Osho foi o único cara que teve a coragem de dizer que os EUA era governado por um cara que tinha um QI abaixo de um macaco! O Ronald Reagan!

E ele nunca calou a boca! Falou muita coisa coisa sobre o Reagan. Falou um monte sobre políticos e padres. O único cara que tem coragem de falar contra os padres, contra os religiosos, chamando-os de vigaristas.

Além disso, o Osho tinha muito dinheiro sim! Simplesmente porque haviam muitos sannyasins ricos que seguiam o Osho. Então eles faziam doações muito grandes pro Osho. Coisa que ele nem dava tanta bola e nunca escondeu…

E eles queriam criar uma cidade utópica e criaram! A série do Netflix é tão sem-vergonha, tão mentirosa, que todas as imagens que eles mostram são imagens feias. Só mostram coisas em galpões, imagens feias… Se você for uma pessoa decente e quiser saber a verdade, procura um filme na internet chamado “o caminho do coração”, que é sobre a comunidade do Osho. Nela você vai ver aquela comunidade real, com gente bonita, com gente se abraçando, celebrando… na série eles botaram tudo cinza.


E, não esqueça, o problema todo foi que o Osho foi o cara que teve coragem de mexer com a sexualidade. Teve a coragem de estimular a sexualidade como algo bom e saudável. ESSE FOI O GRANDE PROBLEMA! E agora trinta e tantos anos depois vem a Netflix com um videozinho pra detonar. E tem tantos outros detalhes para falar à respeito do filme… A inveja dos americanos, daquele cidadão médio americano, de que um indiano tivesse tanto dinheiro. Essas mesmas pessoas nunca tiveram problemas com o Trump e seus bilhões de cafajestices, porque se o Trump não é cafajeste, ninguém mais é. Se o Bush não é cafajeste ninguém mais é. Se o Reagan não é cafajeste, ninguém mais é. E não dá pra botar a mão no fogo pelos outros democratas, mas sempre o que eles fizeram foi se aproveitar de todo mundo.

E todo povo americano é hipócrita porque eles ficam dando uma de liberal, democratas, mas quando começa a apertar a economia deles, elegem esses cafajestes para detonar todo mundo. E vivem de sugar todo mundo. Eles sugam o planeta, são os maiores vampiros. United States of América é como inço, só suga e não serve pra nada.

Eu gostaria de saber se esses cidadãos americanos vão expulsar todas essas religiões que cometeram pedofilia. Eu não estou nem falando de sexo, estou falando de crime sexual. Pedofilia é crime sexual. Ou aceitaremos que é assim: a gente que se confessa e paga? Daí você paga e pode abusar de uma criança com 7 ou 8 anos? Você paga 2 milhões e a família aceita…. Que bom, né? 2 milhões de dólares! Eu me pergunto o que pensa Jesus Cristo lá em cima… Ele aprova que 2 milhões de dólares valem um abuso sexual?

Por favor povo americano! Por favor Netiflix! Urgentemente, cabe um documentário com 400 capítulos sobre abusos sexuais das crianças nos EUA. Vamos fazer! Por favor Antelope e toda sociedade americana, vamos fazer um movimento para expulsar todas as religiões que cometem abusos sexuais. Certo? Depois que fizerem isso, daí nós vamos discutir o Osho, ok? Daí nós vamos discutir, vejam bem! Primeiramente, vocês vão limpar essa latrina que vocês são!

E os europeus também! Expulsar todos os europeus que fazem turismo sexual no Ceará. Com vôos diretos Europa-Ceará para abusar de meninas de 10, 11, 12, 13, 14, 15 anos, pagando preços bem baratos! Ou vamos fingir que não sabemos disso? Que por dia descem aviões no Ceará e no Recife para fazer turismo sexual? Nós não sabemos, né? Não dá pra comprovar!

Não provaram nada sobre o Osho, mas se faz filmes de 6h contra ele. É muita canalhice, muita canalhice mesmo. E tudo isso por que? Porque a gente defende a sexualidade.

E também, esses vigaristas usam a Sheela, que era uma louca, como principal testemunha. Ela queria afastar todo mundo de perto do Osho porque ela morria de ciúme, porque ela estava numa loucura total de poder. Então ela começou a inventar que o Osho estava sendo drogado. E a Netflix coloca de uma maneira como se ele tivesse realmente drogado. Até usam uma imagem que o Osho tropeça para parecer que ele estava zonzo, ou coisa assim. Cafajestice total! Todo mundo que foi pra Poona sabe que lá não se usa drogas! É proibido dentro do Ashram. Jamais o Osho estimulou qualquer tipo de droga, pelo contrário, sempre foi totalmente contra.

É possível, sim, que você encontre um sannyasin drogado. Agora, se tem um drogado na escola, a gente vai culpar a escola? Agora, se tiver muitos drogados é outra história. Parece que com o Osho é assim! Nunca o Osho se envolveu com droga e esses manipuladores tentaram de tudo quanto é jeito fazer essa associação. É muita indecência! Nos centros do Osho no mundo inteiro a droga sempre foi combatida. Nos seus livros, nos seus pronunciamento. Isso é claro.

Então, eu gostaria que todas as pessoas que tem uma decência, uma naturalidade sexual, protestassem violentamente contra esse crime. Você não precisa concordar com o Osho, mas você não precisa concordar com mentiras.

Porque essas mentiras não são só para atacar o Osho. São para atacar todos seres humanos livres. São contra a liberdade, são a favor dos preconceitos, são a favor da destruição na naturalidade do ser humano. Pela destruição do prazer humano, para que essas multinacionais consigam nos encher de antidepressivos, remédios para poder transar, para combater a nossa “brochura” que eles mesmos criaram. Com seus venenos, com suas internet, com seus whatsapps, com toda essa distorção de vida. Então é hora de todos nós, seres humanos, dizermos um BASTA a essa sem-vergonhice!

Comece a boicotar a Netflix, porque não é o único documentário tendencioso, tem outros que estão vindo aí… muito tendenciosos. Muito cafajeste. A Netflix é o maior veneno, um câncer, que está dentro da tua casa. E essa porcaria vicia! Tem algumas coisas boas mas por trás tem muita podridão, pra fazer a cabeça da gente.

BOICOTE TOTAL À NETFLIX!

Priests, politicians, (American) law personnel and Netflix unite to attack free sexuality.

Perverts and frustrated people from various sides unite to maintain prejudice.

osho-quotes

By Prem Milan

Not only do we have TVs, newspapers, advertisement and religions, now Netflix launched a documentary, “Wild wild country”, distorting the history of Osho (Rajneesh) and his passage through Oregon. Someone who is completely free, talking about and supporting sexuality disturbs a lot these square minds who are promoting depression, emotional disturbances and neurosis in humanity.

Everything, as usual, starts in that big shithole called United States of America. These brothers from the north are the biggest shameless assholes in humanity! Poor Dracula, he must be jealous of their ability to suck…

Human beings, do you think the Americans are trustworthy? We trusted them our whole lives and what has happened? Do you remember? All forbidden poisons over there, they sell here! The list could be very long but I won’t go on because this isn’t what this text is about. And I warn you, if you believe these guys, stop reading right here! They have stolen us, cheated on us, fueled corruption, lies, manipulation, destruction of competitors, stuffed us with all kinds of sick medicine and the horrible sedentary life – which causes more disease than anything else. They pretend to be liberal and open, they are “sensitive” when is suits them… and keep relying on conservative fascists such as Reagans, Bushes and Trumps under whose guidance they fuck everyone.

So, in this sweet dear country, Osho (then called Bhagwan Shree Rajneesh), believed in that beautiful constitution, which turned out to be a big lie, and moved there. A constitution valid to defend the interests of the big corporations, when that’s not the case, the constitution is ripped apart, neglected. That’s what was done to Rajneesh, they tore the constitution because it suited them… Osho going there caused trouble, because wherever he went he caused trouble for being alive and rebel. Dead people mean no trouble, they can only create manifestation of grief and sorrow.

Netflix made a super manipulative, ill minded documentary about Osho’s passage through the States. Like Brazilian Globo, Netflix is good at well-made manipulated movies. Through their soap operas, Globo stuck countless prejudices and manipulations down our throats. They have elected presidents, robbed the public safes and they are everyday inside our houses, creating the life concepts of our children and our own. They manage miracles with their manipulation. Any resemblance of the manipulation seen in Hitler’s times, with Goebbels, is not mere coincidence.

In this documentary by Netflix, they show old people, old couples, old attorneys, ancient, who look absolutely harmless, to talk about how criminal were those youngsters who enjoyed sex so much! To talk about how bad and evil they were. Even I, when started watching, was touched with those sweet old guys sending us images of tenderness. But then it occurred to me “who are these guys? How many black people have they killed? How many black people have they spanked? How many Indians have they killed? Are these old guys that innocent?” The nazi perpetrators, after arrested and old, seemed harmless as well. Poor old fellas, uh? Ask the children of the millions of Jewish they assassinated what they think about it. Those old guys who show up in the movie are two-faced.

They have lied, they have manipulated and, for sure, they fucked up black. This has been done until very recently and, in a lesser scale, until today in the US, but everyone turns a blind eye. There are no black people in Oregon, either they were killed or fled. Americans like to know their own individual rights, but not the others’. They are so good at manipulating that they managed to transform the black in criminals, with their “powerful weapons”: stones, sticks and some knifes while the “poor white Americans” eliminated them shooting their rifles and fire guns. Those old fellows are slavers!

Which credibility these people have to call others criminal? The armed ones going around were the inhabitants of the city of Antelope. They walked around with loaded rifles, shooting to intimidate those sensuous youngsters who made them mad with their sensuousness and openness. As if this wasn’t enough, they planted three bombs in the sannyasin hotel. The hotel was bombed and burned from this attack and they turned this incident into a simple accident, without ever finding out who was responsible for it – a very complex thing to decipher…

It’s just like what was said about Saddam Hussein, that he was full of chemical weapons. In fact, the Americans wanted to steal oil, convinced the world of their lie and massacred the Iraqis. Everyone knows that Saddam is no good guy, but between him and the American presidents, there is no difference.

They were very upset that the sannyasins bought guns to defend themselves. Much better guns than their own, which made them even more pissed off because it really drives them mad when someone has a little more financial power than them. Personally, I wasn’t in favor of them buying guns, playing the Americans’ dirty game – the country with the biggest amount of guns in the world (theoretically in order to defend themselves). Yet, no one in history has killed more people than the Americans, they compete with Hitler for the prize of assassin number one!

At this point, Sheela lost it. She was already fanatical, manipulative and power driven. In response to the criminals of Antelope, who exploded the hotel and walked around intimidating with guns, she started to use guns and do all the manipulations that the other side did to the point of poisoning with salmonella the food of the restaurants in Wasco.

All this was part of a political game also manipulated by the other side. The thing is that Osho knew nothing of this. And a part of the sannyasins also sided with Sheela’s trip, who is considered criminal by the Americans and, in the movie, appears as a redeemed old lady. The same who tried to kill Osho’s physician, because he was the only one who had access to Osho beside her and she didn’t want Osho to find out the game she was playing (for which she had arranged a recording system in Osho’s room). Dear Netflix, you are redeeming Sheela and her loyal right arm, who practiced attempt of murder at Osho’s doctor… They show up in the movie as poor repented ladies, saved by the family… hahaha…

At the beginning of the movie, they show Osho leaving India as if he was running away from some illicit situation he had been involved and mention very slightly that a knife had been thrown at him. That’s big hypocrisy. Many attempts of murder were done against Osho by fundamentalist religious people, because Osho took a position against all organized religions, against fanaticism. He had to leave because they wanted to kill him, with the support of Indian government. Western sannyasins who went to India were often threatened and persecuted by the police.

And what can we say about the American religious? Those who were so upset because people made too much love in Oregon. The sannyasins enjoyed sex too much? They were all adults! There are no claims of pedophilia against Osho or the commune. Now, I learned that, in the city of Boston alone, 900 cases of pedophilia were filed by families of children who had been sexually abused by priests! And those attorneys, those great American citizens, those old fellows who attend this church and put their hands together to pray to God, have payed for these abuses. They have payed incredibly high prices for these sexual abuses. And they are not criminals, to them belongs the right to call others criminals for the fact that they enjoy sex. Osho was never avoiding this issue and is well known that every sannyasin enjoys sex.

And for those who like to bad rap the Namaste center, yes, we like sex very much. We practice high quality sex, which is not possible with nuns or prostitutes. Least to say with repressed women at home. And we are not perverts, on the contrary! We enjoy making love looking into each others’ eyes, we enjoy going deeper into love. When relationships break up, we cry, we express. We don’t stay in relationships for convenience, for comfort, for fear… it is a life choice, we are loyal to our heart and not to the laws of the holy church.

How dare you condemn our natural, spontaneous and conscious sexuality? You, Americans, who support children abuse, who have the record of 900 cases of sexual abuse of children made not by Rajneesh, but by your priests and declared by a movie which you have elected the best of the year: Spotlight.

This stupid series from Netflix was not made by any decent sannyasin. The dead sannyasins, who had sexual energy when were young and later became a bunch of square minded old people, maybe these will enjoy it. We, alive and vibrant sannyasins, don’t like it! In fact, we repudiate the untruth, the distortion and the lies.

It is good that everyone watches this documentary from Netflix and check out the bad intentions behind it. Osho’s position is never shown. Niren’s talks, Osho’s lawyer, were completely edited. Besides him being naïve enough to trust that the Americans would do a good job with the takes. Too bad that he was a “good American guy” signing the authorization of use of the images and audios. I wish I could have talked and then I would have spitted some words of fire from someone who is not walking under an American law which states “in order to fill ourselves up, we can fuck the whole world!”

And they still want to talk about human rights and individual freedom, which they don’t honor.

Wait for the sequence: Netflix promotes campaign to throw away all pedophile religions from the US.

Padres, políticos, justiça (americana) e Netflix se unem para combater a sexualidade livre

Frustrados e pervertidos de todas matizes se unem para manter o preconceito.

osho-quotes

 

Por Prem Milan

Não bastasse todas as TVs, jornais, propagandas e religiões, agora a Netflix lançou um documentário “Wild Wild Country”, distorcendo todo o passado do OSHO (Rajneesh) e sua passagem pelo Oregon. Pois alguém realmente livre, falando sobre sexualidade e apoiando a sexualidade incomoda muito esses caretas reacionários que estão promovendo a depressão na humanidade, os distúrbios emocionais, a neurose… Tudo sempre começa naquele chiqueiro, chamado United States of America. Esses nossos irmãos do norte são os maiores caras-de-pau e aproveitadores da humanidade! Pobrezinho do Drácula… Ele deve morrer de inveja da capacidade de sugação desses “nossos irmãos”.

Seres humanos, vocês acham que os americanos são confiáveis? Nós, a vida inteira, acreditamos neles e, o que aconteceu? “Do you remember“? Todos venenos proibidos lá, eles vendem aqui! Nem vou continuar porque se você acredita nesses caras, nem leia isso aqui! Eles nos roubaram, no enganaram, introduziram a corrupção, a mentira, a manipulação, valores mecanicistas, competição, destruição de concorrentes, remédios de tudo o que é tipo e a criminosa vida sedentária, que causa mais doença que qualquer coisa. Se fingem de liberais e abertos, são “sensíveis” quando interessa… Quando dá qualquer probleminha com eles, eles apelam para os ultra-reacionários, nazifascistas, como Reagan, Bush e Trump. E ferram todo mundo.

Então, nesse doce e querido país, o Osho, então chamado de Rajneesh, acreditou naquela linda e bela constituição que é, na verdade, uma grande MENTIRA, e foi morar lá. Uma constituição que vale para defender os interesses das grandes corporações. Quando não é esse interesse, rasga-se essa constituição, faz-se de conta que ela não existe. Foi isso que fizeram com o Rajneesh, rasgaram a constituição porque interessava… A ida do Osho pra lá causou confusão, porque onde o Osho ia, criava muita confusão por ser um ser vivo e rebelde. Morto não cria confusão, cria grandes manifestações de pesar e dor.

A Netflix fez um documentário super manipulador, super cafajeste sobre a passagem do Osho por lá. Assim como a Globo, a Netflix sabe fazer os filmes bem feitos e manipulados. Através das novelas da Globo nos enfiaram quantos preconceitos e quantas manipulações? Eles tem alta tecnologia de manipulação. Já elegeram presidentes, assaltaram os cofres públicos e estão todos os dias dentro na nossa casa, criando os conceitos de vida dos nossos filhos e de nós mesmos. Eles conseguem fazer milagre com sua manipulação. Todo esse tipo de manipulação começou com Hitler, lembram? Lembram do Goebbels?

Neste documentário da Netflix, eles colocam cidadãos velhinhos, casais de velhinhos, procuradores também já velhinhos, antigos, pois assim eles parecem inofensivos, para dar depoimento e falar sobre quão criminosos eram aqueles jovens, que gostavam tanto de sexo. Para falar como eles eram ruins e maus. Até eu, no começo quando assisti, ficava comovido com aqueles velhinhos. Imagens de ternura, nos passavam.

Mas em um momento eu pensei “quem são esses velhinhos”? A-ham…  Quantos negros esses velhinhos mataram? Quantos negros eles açoitaram? Quantos índios eles mataram? Esses velhinhos são tão inocentes assim? Os carrascos nazistas, quando presos e velhinhos, pareciam inofensivos. Coitadinhos deles, né? Pergunta pros filhos de milhões de judeus que eles assassinaram, o que eles acham… Aqueles velhinhos que aparecem no filme são caras-de-pau! Mentiram, manipularam e, com toda certeza, detonaram com os negros. Aliás, até pouco tempo atrás e até hoje, é feito isso nos EUA, mas todo mundo tapa o olho. Os negros eram massacrados no Oregon. Nem tem mais negro lá. Os que não foram mortos, tiveram que fugir. Os americanos gostam de saber os direito individuais deles, mas não os dos outros. Eles manipulam tanto que eles transformavam os negros em criminosos, com suas “poderosas armas”: pau, pedra e algumas faquinhas. Enquanto que os “coitadinhos americanos”, com rifles e revólveres, eliminaram-os a tiro. Aqueles velhinhos são escravagistas! 

Que confiabilidade tem essas pessoas para chamar os outros de criminosos? Quem andava armado eram os habitantes da cidade de Antelope. Usavam espingardas dando tiros para todos os lados para intimidar aqueles jovens sensuais que os deixavam muitos bravos devido a sensualidade e abertura deles. E como se não bastasse, colocaram três bombas no hotel dos seguidores de Rajneesh. O hotel foi queimado e bombardeado por essa canalhice e, obviamente, fizeram disso um fato comum, como se fosse um acidente e, é claro, a polícia nunca descobriu quem foi. Era “muito complexo”.

Assim como o que diziam de Saddan Hussein, que estava cheio de armas químicas. Na verdade, os americanos queriam roubar petróleo e aí convenceram o mundo com sua mentira e massacraram os Iraquianos. Todo mundo sabe como o Saddan é um filho-da-puta. Agora, entre os presidentes americanos e o Saddan, não tem nenhuma diferença.

Eles ficaram muito irritados porque os sannyasins foram lá e compraram armas para se defender. Armas muito melhores que as deles, o que os deixou mais bravos ainda porque, quando alguém tem um pouquinho mais de poder econômico que eles, ficam enlouquecidos. Pessoalmente, eu não era à favor que se comprasse armas, que fizessem o jogo sujo dos americanos – o país que tem mais armas no mundo e que, em tese, é para se defender. Porém, ninguém na humanidade matou tanta gente quanto os americanos. eles concorrem com Hitler ao Óscar de assassinos… Nesse momento, a Sheela enlouqueceu, porque ela já era fanática e manipuladora. Queria poder. E em resposta aos criminosos de Antelope, que detonaram o hotel e viviam intimidando com armas, ela também começou a usar armas e fazer todas as manipulações que outro lado fazia, como ter colocado salmonela nas comida dos moradores de Wasco.

Isso tudo porque era um jogo político também manipulado pelo outro lado. Só que o Osho não tava sabendo disso. E uma parcela dos sannyasins também entrou na viagem da Sheela, que é uma louca. Aliás, considerada criminosa pelos americanos e, que no filme aparece como uma senhora redimida. A mesma que tentou matar o médico do Osho, porque ela tinha escutas no quarto do próprio Osho e não queria que o Osho descobrisse a farsa que ela tava fazendo, pois o médico era o único que tinha acesso ao Osho além da Sheela. Queridos da Netflix, você estão redimindo a Sheela e sua escudeira que praticou um ato assassino contra o médico do Osho. Elas aparecem nos filmes como umas coitadas arrependidas que a família salvou:  “qua, qua, qua, qua…” “Comunistas comem criancinhas”!

No inicio do filme, sutilmente, colocam como se o Osho tivesse fugindo da Índia por falcatrua e citam bem por cima que jogaram uma faca nele. Hipócritas, mentirosos. Várias tentativas de assassinatos aconteceram contra o Osho pelos religiosos fundamentalistas, porque o Osho se posicionava contra as religiões, contra o fanatismo. Teve que fugir de lá porque queriam matá-lo de qualquer jeito com a conivência do governo indiano. Os sannyasins que iam para a índia eram constantemente ameaçados e agredidos, presos pela polícia sem nenhuma razão. 

E o que poderíamos dizer dos religiosos americanos? Aqueles que ficavam tão incomodados porque as pessoas transavam muito no Oregon, porque os sannyasins gostavam muito de sexo? Eram todos adultos! Não sei de registro de queixas de pedofilia contra Osho ou a comuna do Oregon… Agora, eu sei de 900 casos, só na cidade de Boston, de crianças que foram estupradas por padres, abusadas sexualmente! E que aqueles procuradores, aquelas grandes pessoas americanas, aqueles velhinhos que frequentam essa igreja e que juntam as mãos para Deus, pagaram por esses abusos. Pagaram preços altíssimos por esses abusos sexuais. Esses não são criminosos, a esses é que se atribui o direito de dizer que os outros são criminosos, pelo simples fato de gostarem abertamente de sexo. O Osho nunca escondeu, todo sannyasin gosta de sexo.

E pra esses que falam do Namastê, a gente gosta de sexo sim. O que nós praticamos é sexo de alta qualidade, o que não é possível ter com freiras ou prostitutas. Muito menos com mulheres reprimidas dentro de casa. E nós não somos perversos, muito pelo contrário! Nós transamos olhando nos olhos, nós aprofundamos nosso amor. Quando quebramos relações, nós choramos, expressamos. Nós não ficamos em relações por conivência, por acomodação, por medo… É uma escolha de vida, nós somos fiéis ao nosso coração e não as leis da santa madre igreja.

Como ousam condenar nossa sexualidade natural, espontânea e consciente? Vocês americanos, que praticam abusos de crianças, apoiam o abuso de crianças e que só num lugar do país de vocês mostram que houve mais de 900 abusos sexuais de crianças realizados por padres e denunciados, não por Rajneesh, mas por um filme que vocês elegeram o melhor do ano: Spotlight, que ganhou o Óscar.

Essa série vagabunda do Netflix não foi feita por nenhum sannyasin decente. Os sannyasins mortos, que quando eram jovens tinham energia sexual e depois viraram um bando de velhos de caretas, esses talvez gostem disso aí. Nós, sannyasins vivos e vibrantes não gostamos! Na verdade, repudiamos as inverdades, as distorções e as mentiras. 

É bom que todos vejam esse vídeo do Netflix e vejam a canalhice que é. A sem-vergonhice que é. Em nenhum momento mostram a posição do Osho. A conversa do Niren, o advogado do Osho, foi toda editada. Além dele ser ingênuo o suficiente para confiar que os americanos fariam um bom trabalho com as gravações. Ele acabou sendo um cidadão americano bem-comportado assinando a autorização de uso das imagens e áudios. Queria eu ter falado neste filme, pra cuspir palavras de fogo de alguém que não anda cumprindo as leis americanas que declaram: “pra encher nossa barriga, podemos foder com o mundo inteiro”! E ainda querem falar de direitos humanos e liberdade individual, o que eles não cumprem. 

 

Aguardem a sequencia: Netflix promove campanha para expulsar todas religiões pedófilas dos EUA.